Regina Duarte é convidada para substituir Alvim na Secretaria da Cultura

A atriz Regina Duarte da Rede Globo e o presidente Jair Bolsonaro em encontro ocorrido em outubro de 2018. Agora, ela é cotada para o lugar de Roberto Alvim

A atriz Regina Duarte foi convidada para assumir a chefia da Secretaria Especial de Cultura no lugar de Roberto Alvim, demitido depois de fazer 1 pronunciamento semelhante a discurso do ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels, 1 dos homens mais poderosos da Alemanha de Hitler.

A informação foi inicialmente publicada pela jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, e confirmada pela reportagem do Poder360, que ouviu de interlocutores do presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto que trazer a atriz para o governo “seria uma maneira de amenizar as críticas” suscitadas com o discurso do agora ex-secretário

Palacianos destacam que Regina Duarte é uma pessoa “que detém o apreço” de pessoas próximas a Bolsonaro no governo.

A atriz, que tem em seu histórico a gravação de propaganda contra o PT, em 2002, visitou Bolsonaro em 2018 para manifestar seu apoio ao militar na disputa presidencial do 2º turno contra Fernando Haddad (PT).

Na época, o candidato do PSL postou em seu Twitter foto com a atriz:

Em 2002, a atriz protagonizou programa eleitoral do candidato a presidente José Serra (PSDB) no qual disse “eu tenho medo”, em referência a eventual vitória (confirmada posteriormente) do ex-presidente Lula na disputa presidencial daquele ano.

Assista ao vídeo gravado por Regina Duarte para o programa de Serra :(1 minuto):

Veja a reação política às declarações de Roberto Alvim

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a embaixada da Alemanha e a Confederação Israelita do Brasil (Conib), além de diversas entidades e representantes políticos, se manifestaram contra o discurso do ex-secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, em que foram feitas referências ao nazismo. Em notas de repúdio, as organizações cobraram a exoneração de Alvim, anunciada no início da tarde desta sexta-feira (17) pelo presidente Jair Bolsonaro.

A polêmica começou quando a Secretaria Especial de Cultura, que foi anexada ao Ministério do Turismo por Bolsonaro, publicou um vídeo nas redes sociais na noite dessa quinta-feira (16) para divulgar o Prêmio Nacional das Artes. No pronunciamento, contido, Alvim faz referências ao discurso do ministro da Propaganda da Alemanha Nazista, Goebbels, tanto no conteúdo quanto na estética escolhida para a gravação.

Em nota, a OAB rebate Alvim e afirma que esse discurso reproduz com “absoluta” e “pensada” semelhança o discurso nazista de Goebbels. “A fala reproduzida pelo secretário de Cultura evoca referências claras a uma pessoa que promoveu o genocídio, a divisão racial e tantos outros crimes. Diante do ocorrido, a manutenção do referido secretário em cargo de tamanha importância é absolutamente inaceitável”, afirma a instituição, lembrando que fazer referência ao nazismo é crime segundo a legislação brasileira.

Após repercussão negativa, Alvim se defendeu, alegando que há apenas uma “coincidência retórica” no seu discurso. “Eu não citei ninguém e o texto fala de uma arte heroica e profundamente vinculada às aspirações do povo brasileiro. Não há nada de errado com a frase”, afirmou.

Após as críticas, o Palácio do Planalto anunciou a demissão de Roberto Alvim do cargo de secretário da Cultura. Em nota, o presidente Jair Bolsonaro disse que esse “pronunciamento infeliz” tornou “insustentável” a permanência de Alvim no cargo.

Presidente da Câmara e do Senado

O presidente daCâmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi um dos primeiros a se pronunciar contra o vídeo e defender a demissão de Alvim. Veja o que ele disse:

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou em nota, que, sendo o primeiro presidente judeu do Congresso, repudia a atitude. Ele também cobrou a demissão do Alvim.

“É totalmente inadmissível, nos tempos atuais, termos representantes com esse tipo de pensamento. E, pior ainda: que se valha do cargo que eventualmente ocupa para explicitar simpatia pela ideologia nazista e, absurdo dos absurdos, repita ideias do ministro da Informação e Propaganda de Adolf Hitler, que infligiu o maior flagelo à humanidade”, afirmou Davi Alcolumbre.

Presidente do STF

“Há de se repudiar com toda a veemência a inaceitável agressão que representa a postagem feita pelo secretário de Cultura. É uma ofensa ao povo brasileiro, em especial à comunidade e judaica”, defendeu Dias Toffoli.

Procurador-Geral da República

“A única ideologia política admissível no Brasil é a democracia participativa que tem como princípio fundante a liberdade de expressão. Ideias nazifascistas são totalitárias e destroem a democracia, daí por que, nesta excepcionalidade, a liberdade de expressão pode ser relativizada, consoante o paradoxo da tolerância de Karl Popper”, afirmou Augusto Aras.

Grupos Israelitas

A Conib e a Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) também se pronunciaram.

A Conib taxou como “inaceitável” e um “sinal assustador” as referências ao nazismo feitas pelo secretário Alvim. “Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto, o extermínio de 6 milhões de judeus na Europa, entre tantas outras vítimas. O Brasil, que enviou bravos soldados para combater o nazismo em solo europeu, não merece isso. Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastada do cargo imediatamente”, afirmou.

Já a Fisesp disse em nota que “o uso de discurso nazista é inadímissível. Jamais ficaremos calados e rejeitamos a banalização de um episódio trágico para a Humanidade, responsável pelo Holocausto, com a morte de 6 milhões de judeus, e o assassinato de dezenas de milhões de outros inocentes, como ciganos, negros, homossexuais, comunistas, entre outros”.

Embaixada da Alemanha

Frente Parlamentar Amizade Brasil-Israel

A frente publicou uma nota repudiando a postura do secretário de cultura e defendendo a sua demissão do cargo. Confira um trecho do documento:

“Inadvertidamente ou consciente dos seus atos, Alvim ainda acusou a ‘esquerda’ ao afirmar que essa ‘associação remota’ é uma ‘falácia’, e que trata-se apenas de uma ‘coincidência retórica’.

Tornou-se lugar-comum acusar a esquerda dos atos espúrios cometidos por quem quer que seja, dentro do governo ou fora dele. Nessa disputa estúpida de discursos vazios, ausente de razoabilidade, quem perde é o povo brasileiro.

O nazismo com todo seu mal nunca deve ser esquecido não para ser celebrado, mas para nunca mais ser praticado no mundo. Alvim deve ser demitido.”

Oposição

O líder da Oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que vai apresentar um requerimento de convocação para que o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e o ex-secretário nacional da cultura, Roberto Alvim, prestem esclarecimentos.

Molon também irá representar à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, para que medidas judiciais sejam tomadas. A bancada do Psol na Câmara e o líder da Oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), também vão representar contra Alvim no Ministério Público Federal.

Outros parlamentares e partidos

Outros parlamentares também repudiaram a fala de Roberto Alvim nas redes sociais, desde os parlamentares de esquerda e do centrão até vozes da direita. Entre eles, Ivan Valente (Psol-SP), David Miranda (PSOL-RJ), Maria do Rosário (PT-RS), Marcelo Ramos (PL-AM) e Marcel van Hattem (Novo-RS). Veja o depoimento de algumas lideranças partidárias:

“É inadmissível, repugnante e patológica a atitude do secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, de copiar o discurso de um nazista. Além disso, ao ressaltar que a arte brasileira será profundamente vinculada às aspirações urgentes do povo, ele a descaracteriza como uma manifestação da criação e da liberdade para transformá-la em um instrumento pró-ditadura. É inconcebível que o governo mantenha no cargo alguém que se inspire em uma ideologia que foi responsável por uma das maiores barbáries contra a humanidade e condenada em todo o mundo. O mínimo que se espera é sua imediata demissão”, afirmou o deputado Carlos Sampaio, líder do PSDB.

“Assisti com preocupação o vídeo no qual o min. Roberto Alvim se atém a retóricas nazistas. Postura inaceitável e que repudio. Ao Estado cabe dar subsídios para o desenvolvimento da cultura, apoiando e respeitando a pluralidade e jamais sob linhas autoritárias ou totalitaristas”, disse o deputado Augusto Coutinho (PE), líder do Solidariedade.

PSL

O antigo partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL também se manifestou contra as falas de Roberto Alvim. Confira a nota enviada pela executiva nacional da legenda, que é comandada por Luciano Bivar:

“O Partido Social Liberal (PSL) vem, por meio desta, repudiar a manifestação do Secretário Especial de Cultura, Roberto Alvim, pela postura e declarações referenciando a ditadura nazista na Alemanha. Esse foi um dos períodos mais nefastos na nossa história, responsável pelo holocausto que culminou na morte de cerca de 6 milhões de judeus além do assassinato de dezenas de milhões de outros inocentes como negros, homossexuais, entre outros. É inadmissível aceitar tal posicionamento partindo de um representante de um país democrático como o Brasil. Não se posicionar contra tal absurdo é o mesmo que consentir e apoiar praticas nazistas.”

Deixe uma resposta