8 municípios do oeste receberam médicos estrangeiros

Blog Oeste Global, com Correio – Com cerca de duas horas de atraso, os 50 médicos cubanos que vão atuar na Bahia pelo programa “Mais Médicos” chegaram a Salvador na noite deste domingo (25/ago) e já começaram nesta segunda-feira (26/ago), o treinamento de 120 horas antes de começarem o desempenho da função. Em uma sessão de boas-vindas à turma de estrangeiros, o secretário de Saúde Jorge Solla alertou aos médicos que eles “encontrarão resistência dos que querem barrar o avanço à atenção básica” e rebateu as críticas de que os médicos estariam sujeitos a trabalho escravo. Segundo ele, o regime será de 40 horas semanais em postos e hospitais equipados. “Não faltarão materiais” e o alojamento será garantido pelo governo Federal, garantiu Solla.
Os cubanos atuarão nas cidades de Adustina, Araci, Buritirama, Campo Alegre de Lourdes, Cansanção, Carinhanha, Central, Cocos, Coronel João Sá, Correntina, Formosa do Rio Preto, Itiúba, Jeremoabo, Macaúbas, Mansidão, Nova Soure, Remanso, Riacho de Santana, Serra Dourada, Sítio do Quinto, Souto Soares e Tucano.

Opinião: Aí cabe uma reflexão, a exemplo do que fez o Jornalista Carlos Alberto Sampaio: A saúde do interior está doente, constantemente é preciso recorrer aos tais chazinhos da vovó e as vezes enfrentar curandeirismo de uns que por vez ou outra se abancam nestas bandas. Na verdade ficou comprovado que médicos “Made in Brazil” não querem estar longe das praias e grandes centros. Melhor que sejam médicos com certa experiência, até mesmo porque ninguém questiona quando os médicos brasileiros matam por imperícia e imprudência, recém-formados, inexperientes, sem concluir uma especialização? Que se deixem os cubanos exercerem sua missão. Mesmo com todas as implicações políticas e técnicas. Os médicos brasileiros não podem alegar reserva de mercado, até porque essas comunidades carentes, onde os cubanos vão atuar, não é um bom mercado para os brasileiros. Que sejam bem-vindos nossos novos médicos! Luís Carlos Nunes

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.