Câmara de Ribeirão Pires amplia para mais de R$ 500 mil reais a devolução para a prefeitura.

Conforme publicamos em 22 de dezembro com exclusividade, “a Câmara de vereadores de Ribeirão Pires devolveu ao executivo municipal a quantia de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) referente à economia feita pelo Legislativo sobre o repasse do município à Casa”, ver matéria aqui.

Hoje, foram devolvidos mais R$ 144.438,74 totalizando R$ 544.438,74 de reforço para o executivo.

O recurso, segundo explica o presidente, vereador Rubão Fernandes (PSD) é resultado da economia que a Câmara fez ao longo do ano, principalmente com a redução de gastos em diversos setores a exemplo de viagens, energia elétrica, telefone, combustível, serviços terceirizados, medidas de controles internos.

O presidente da Câmara lembra que a devolução da sobra do duodécimo é feita por meio de acordo firmado entre os vereadores e a Prefeitura e, “necessariamente, não se deve ‘carimbar’ a aplicação desse recurso, que é voluntária”.

Segundo o secretário Geral da Casa de Leis, Regis Dias, “este gesto é tomado em comum acordo por todos os vereadores”, disse reforçando que “a devolução só é possível com uma política de contenção de gastos severa e que em 2017 foi possível investir na uniformização dos servidores de asseio e conservação, foi instalado eficiente sistema de filmagem para as sessões com a troca por sistema computadorizado, foi feito a aquisição de link dedicado de internet exclusivo para câmara o que facilitou o trabalho de seus servidores, foi reformada a copa/cozinha dando maior qualidade aos usuários, foi feito pintura do prédio, troca do sistema elétrico do plenário, instalado novas portas de vidro, o pagamento dos servidores e fornecedores foram feitos rigorosamente em dia, novo sistema de ar condicionado foi instalado, foi cumprido exigência do TCE sobre implantação de sistema de folha de pagamento, dentre muitas outras ações que visam um melhor atendimento ao público e aos servidores da Casa”.

O duodécimo representa a décima segunda parte da arrecadação do município no ano anterior que é repassado em 12 parcelas. “O montante tem de ser gasto no processo legislativo e, no nosso caso, o que é possível economizar acrescido de receitas geradas pela Câmara, devolvemos ao município”, explica o presidente da Câmara. Que conclui dizendo: “Em momentos de crise temos a oportunidade de demonstrar como gerar novas oportunidades de economia e amenizar as dificuldades financeiras das instituições sem prejudicar o funcionamento do símbolo maior da representação democrática: O Poder Legislativo”.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.