Câmara de Rio Grande autoriza município a se desfiliar do Consórcio do ABC.

Foi aprovado nesta quarta-feira (30), pelo placar de 11 à 02, o projeto de lei n° 018/2018 de autoria do Poder Executivo que autoriza o município de Rio Grande da Serra a se desfiliar do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC.
Com a aprovação, o executivo pode a qualquer momento deixar o órgão regional. Atualmente gerido pelo prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), caso o prefeito Gabriel Maranhão (Sem Partido) efetive a saída do município, a entidade regional pode ter a sua segunda baixa, desde que o prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), solicitou a desfiliação da cidade.
Em Rio Grande da Serra, vereadores questionam a atuação do Consórcio. Na argumentação, alegam falta de políticas públicas que atendam isonomicamente ao conjunto de municípios do ABCDMRR.
Árduo defensor da manutenção de Rio Grande da Serra na entidade, o vereador Akira Ono (PSB), é contrário a saída.


“Ressalto aqui que serei sempre oposição a qualquer ideia de retirada do município do Consórcio. O próprio prefeito quando presidente do Consórcio Intermunicipal, conseguiu R$ 41 milhões para infraestrutura. Foram desenvolvidas diversas ações com diversos grupos de trabalho que possibilitaram estratégias nas cidades. O projeto que pode tornar a cidade em Município de Interesse Turístico (MIT), também passou por lá”, disse o edil.
Rebatendo a tese de seu antecessor, o vereador Clauricio Bento (DEM), disse que o órgão caiu na irrelevância.
“O Consórcio não fez uma única reunião conosco. Questões importantes para a região estão sendo deixadas de lado”, disse.
O vereador Benedito Araújo (PT), se posicionou contrário a saída.
“Quero parabenizar a fala do vereador Akira, o Consórcio tem grandes serviços para Rio Grande. Está Casa de Leis, não pode agir pela emoção, é preciso por os pés no chão e com muita cautela pensar o futuro da cidade. Não podemos esquecer que foi na gestão do Luiz Marinho que Rio Grande conseguiu importantes conquistas,” ressaltou o petista.
Já o líder do Governo, Claudinho Monteiro (PSB), enfatizou a necessidade da retirada do município do organismo regional.


“Se analisarmos friamente, veremos que o Consórcio não mais atende os interesses regionais. A atual gestão paralisou o andamento dos debates. Quem sabe, no futuro voltemos, mas é insustentável Rio Grande continuar a repassar recursos financeiros para a manutenção da entidade uma vez que não temos retorno”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.