Candidatos ao Paço apresentam propostas e troca de farpas em debate organizado pela UJS.

_dsc1928

O debate organizado pela União da Juventude Socialista (UJS) contou com os candidatos à prefeitura da cidade Leo (PMB), Lima (PSTU), Renato Foresto (PT), Luiz Carlos Grecco (PRB), Drª Rosana Figueiredo (REDE), Kiko Teixeira (PSB) e Dedé da Folha (PPS), pelas expectativas, foi morno em relação a ataques, mas marcado pela significativa presença de propostas. Eleitores previamente inscritos tiveram a oportunidade de acompanhar o evento no auditório do Ribeirão Pires Futebol clube e também via internet com transmissão ao vivo. Foram registradas as ausências dos candidatos Saulo Benevides e Carlos Sacomani.

Dividido em 5 blocos, o debate teve como mediador o jornalista Rafael Ventura. Em todos os blocos, utilizando o critério do sorteio, primeiro foram feitas perguntas de candidato para candidato, no segundo representantes da imprensa fizeram perguntas de tema livre, no terceiro foi permitido questionamento livre entre candidatos previamente sorteados. Já no quarto bloco, munícipes fizeram perguntas e no último bloco foi aberto para as considerações finais. Por ironia do destino, os sorteios destinaram – segundo levantamento do Diário do Grande ABC -Dedé da Folha e Kiko, lideres da preferência do eleitorado, foram empurrados para um franco embate por seguintes sorteios que direcionaram os candidatos.

Bem organizado, durante o debate, foi registrado manifestação acintosa em favor de um candidato e integrantes de grupos adversários se manifestaram alegando de que militantes da UJS estavam se posicionando favoráveis a determinada candidatura e que isso não deveria acontecer. Após conversas acaloradas os ânimos se acalmaram. Leia a seguir o desempenho dos candidatos.

6Leo Moura (PMB) – Leo destacou seu trabalho na Educação e saúde A candidata

Leo Moura (PMB) usou o espaço no debate eleitoral para destacar o seu trabalho na área da Educação, inclusão social de portadores de necessidades especiais, saúde e preservação do patrimônio. A candidata em promessa, disse que manterá o ensino fundamental nas escolas ampliando a sua qualidade e valorização dos profissionais envolvidos na pasta. Foi destacado por Leo que graças a sua gestão foi possível a elevação dos índices no setor. Provocada sobre se tivesse diversos processos, se a mesma disputaria cargo público, Leo disse não ter capacidade jurídica para avaliar a situação, mas que se fossem questões graves não se candidataria a cargos eletivos ao mesmo tempo em que enfatizou sua condição de ficha limpa.

4Luiz Carlos Grecco (PRB) – Grecco destacou a saúde e sua experiência como prefeito por duas vezes

O candidato utilizou seu tempo para relatar sua atuação de seus dois governos. Segundo Luiz Carlos Grecco, foi em sua administração a inauguração do Hospital São Lucas nos moldes do SUS. Sobre o Hospital Municipal, Grecco prometeu a sua conclusão para a implantação em ribeirão Pires de uma cidade saudável onde todos tenham atendimento digno e humanizado. Outro ponto destacado pelo candidato foi à importância do Consórcio Intermunicipal Grande ABC lembrando que foi em sua primeira gestão que os prefeitos da região iniciaram a discussão sobre a destinação adequada do lixo, problema debatido até os dias de hoje. Sobre a educação, Grecco explanou seu compromisso com a Educação relatando que prefeito garantiu um ensino de primeira qualidade para todos tendo inclusive criado uma creche em tempo integral, sendo o pioneiro a nível de Brasil.

3Rosana Figueiredo (REDE) – falou sobre transporte público, administração pública e cidade colaborativa

A candidata destacou que eleita, irá dar prioridade para o ciclismo incentivando-o como meio de turismo e transporte de locomoção comum. Rosana discorreu ainda sobre a utilização de impostos municipais onde a exemplo do IPTU que é imposto recolhido localmente e por rua não é utilizado para seus fins. Segundo ele é preciso que se cometa justiça uma vez que se há recolhimento do imposto o mesmo deve ser utilizado e não deixando diversos pontos da cidade sem a mínima urbanização. Outro ponto destacado pela candidata é a redução do número de secretarias, passando para 8. Na justificativa ela disse que basta olhar para as atuais administrações para ver quantas são as secretaria que realmente funcionam. Por fim a candidata da REDE falou sobre a “Cidade Colaborativa” que pretende criar uma nova cultura na sociedade e na administração pública. “Cidade Colaborativa” é um conceito novo, que vem tomando espaço em nossas vidas aos poucos. A ideia consiste em incentivar aos habitantes a se organizar e dividir espaços, serviços ou bens. O cidadão de direito terá direito e voz caso eu seja eleita”. Em tom mais agudo, Rosana defendeu ainda que sua candidatura é a que mais representa mudanças e criticou os grupos políticos que sempre administraram Ribeirão Pires sempre repetindo da mesma dose.

2Renato Foresto (PT) – Criação do Bilhete Único, o Controle Ambiental e a Educação

O candidato do PT, Renato Foresto fez apaixonada defesa pela implantação do Bilhete Único para o transporte público alegando o alto valor das passagens classificando como uma “vergonha” o “chiqueirinho” no interior da rodoviária. Posicionou-se avesso a concessão da área da Fábrica de Sal para construção de um Shopping Center apontando como opção para o local, a criação de um espaço público de cultura e lazer. Para o setor da educação, Renato Foresto defendeu ampliação do diálogo com os profissionais do setor para a implantação de um modelo educacional de qualidade no município. Sobre o Meio Ambiente, o candidato disse que Ribeirão passa por forte degradação ambiental e prometeu ampliar a fiscalização. Renato defendeu ainda o orçamento participativo.

8Dedé da Folha (PPS) – Questionou processos judiciais que envolvem Kiko e pregou o combate a corrupção

Dedé da Folha solicitou explicações sobre processos que envolvem o nome de Kiko, entre eles, o que o candidato está com os bens bloqueados por possível desvio de dinheiro da Saúde quando prefeito de Rio Grande da Serra no valor de R$ 45 milhões. Outro processo é o que envolve favorecimento a um filho de um secretário da época em que era prefeito, e por fim, o fato de estar sendo investigado pela Polícia por possível fraude de domicílio eleitoral.

Dedé dá Folha, de forma veemente pregou o discurso do combate à corrupção, saneamento das contas públicas com a consequente redução do número de secretarias e não permitindo cabides de emprego. Ouvindo as pessoas e colocando os conselhos para funcionar, vamos planejar a cidade. Quero um governo participativo com oportunidade para todos.

7Kiko Teixeira (PSB) – Falou em Transparência em licitações, saúde e o retorno da base do SAMU para Ribeirão

Kiko não deixou por menos e partiu para o ataque frontal, “quero tranquilizar a todos, não tenho nenhuma condenação. Quanto ao domicílio eleitoral, fico triste de ser chamado de forasteiro” em outra oportunidade lembrou que Dedé da Folha nas eleições de 2012, não teve os votos computados por problemas com a Justiça e que tinha ligações estreitas com a atual administração do prefeito Saulo Benevides (PMDB), mantendo apoiadores na Prefeitura. Kiko Teixeira frisou a transparência da máquina administrativa e a humanização da saúde argumentando sobre planejamento municipal e transparência nas licitações de obras. Para a pasta da saúde, o candidato prometeu humanizar o atendimento, capacitar servidores e estender o horário de atendimento das UBS’s, bem como a ampliação do Programa Saúde da Família e retorno da base do SAMU para Ribeirão Pires. Com farto do documento contida em uma pasta, Kiko deixou de esclarecer os questionamentos sobre o envolvimento de seu nome em processos judiciais.

5Lima (PSTU) – falou sobre terceirização da Saúde

Em apaixonada defesa do serviço em saúde, o candidato a prefeito pelo PSTU, Lima, disse que a pasta da saúde deve ser administrada diretamente pela prefeitura e sem terceirizações. Segundo Lima, ele é o único candidato que não está ligado a nenhum tipo de defesa ou terceirização do setor e que os demais candidatos estão ligados a empresas fantasmas que sucatearam o setor deixando a cidade num verdadeiro estado de caos. Lima defendeu ainda que é possível garantir uma saúde pública de qualidade utilizando os servidores municipais, caso contrário, é privatização.

Deixe uma resposta