Category Archives: Meio Ambiente

Projeto do vereador Amigão D’orto que institui o “Programa de Horta Comunitária” é sancionado

O prefeito Kiko Teixeira (PSB) sancionou a Lei nº 6.261, de 15 de junho de 2018, que institui em Ribeirão Pires o Programa de Horta Comunitária. A informação foi publicada na edição desta terça-feira (17) do Diário Oficial Eletrônico do Município.

O Projeto de Lei (PL) é de autoria do vereador Amigão D’orto (PTC) e tem como objetivo fazer melhor utilização de mão de obra e áreas devolutas da cidade, cumprir a função social da propriedade, bem como incentivar a geração de renda complementar, a produção para o consumo próprio e a agricultura social, incentivar práticas sustentáveis e de respeito ao meio ambiente, servindo ainda como terapia ocupacional para homens e mulheres da terceira idade.

Para a implantação das hortas comunitárias vinculadas à Prefeitura, será levado em consideração a localização da área, realização de cadastro e consulta ao proprietário, em caso de terrenos particulares. A oficialização da área está a encargo da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Segundo a Lei, cada área de cultivo poderá ser trabalhada individual ou coletivamente e o produto excedente das Hortas Comunitárias não poderá ser comercializado, podendo ser consumido livremente pelos moradores residentes no bairro onde se encontra a horta, bem como atender às entidades assistenciais estabelecidas no Município.

Após facilitar uso de agrotóxicos, comissão da Câmara aprova projeto que restringe venda de orgânicos

Luiz Nishimori (PR-PR) apresentou relatório que facilita regras para agrotóxicos

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados aprovou, na segunda-feira (2), o projeto de lei que restringe a venda direta de produtos orgânicos.

O relator do projeto, o deputado Luiz Nishimori (PR-PR), é o mesmo do projeto que facilita uso de agrotóxicos, que foi aprovado por comissão especial da Câmara no último dia 25.

A comercialização de orgânicos deverá ocorrer em feiras livres ou em propriedade particular. Atualmente, a venda pode ser feita em estabelecimentos como supermercados.

Outra restrição é que a renda só poderá ser feita sem certificação de procedência do produto caso haja rastreamento do processo de produção e acesso ao local de processamento.

A proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois será analisada em plenário.

Vereador Amigão D’orto questiona governo sobre existência de Plano de Emissão de Gases Poluentes

O vereador Amigão D’orto (PTC) teve requerimento de sua autoria aprovado na sessão legislativa desta quinta-feira (28), onde o parlamentar questiona o Executivo Municipal sobre a existência na cidade de Plano de Controle e Combate a emissão de Gases Poluentes.

“Viver em ambientes com altas concentrações de poluentes atmosféricos podem gerar vários problemas para a saúde. A poluição do ar é gerada, principalmente, por veículos movidos a combustíveis fósseis (diesel e gasolina) e pelas indústrias que não usam sistemas de tratamento e filtragem de poluentes. As pessoas que vivem nos grandes centros urbanos, ao qual está inserido Ribeirão Pires, são as  mais afetadas pela poluição atmosférica. Nos dias com baixa umidade do ar ou de inversão térmica, este problema aumenta de intensidade”, disse o vereador Amigão D’orto.

Ainda no documento apresentado, o edil solicita informações caso a prefeitura já tenha algum trabalho de fiscalização, quais as medidas preventivas estão sendo tomadas e se o município já aplicou multa em empresas poluentes.

Vereadores Amaury e Rubão querem abolir o fornecimento de canudos em Ribeirão Pires

Os vereadores Amaury Dias (PV) e Rubão Fernandes (PSD) apresentaram na sessão da Câmara desta quinta-feira (28) o Projeto de Lei nº 031 que tem como objetivo proibir nos estabelecimentos comerciais de Ribeirão Pires o fornecimento de canudos convencionais e no lugar sejam ofertados recicláveis ou canudos de papel e biodegradáveis.

O Projeto aprovado por unanimidade pelos edis presentes tem como objetivo a preservação do meio ambiente. Segundo a justificativa dos parlamentares “tudo o que não for biodegradável não consegue ser decomposto de maneira natural.

“Canudos Plásticos são muito prejudiciais ao meio ambiente, pois, pelo fato de não serem absorvidos pela natureza, geram terríveis danos ao ecossistema, como por exemplo os plásticos nos oceanos, que devido a correntes marítimas chegam a vagar pelo planeta inteiro e muitos animais aquáticos  morrem ao ingerirem tais materiais”, disse Amaury Dias.

O vereador Rubão Fernandes argumenta que: “além da questão ambiental, os canudos de plástico também afetam a nossa saúde por conterem produtos químicos que limitam a nossa atividade hormonal, o que pode ocasionar distúrbios no sistema reprodutivo, além de câncer de mama e próstata, diabetes, doenças cardíacas e diversos problemas e comprometimentos a nossa saúde”, pontuou.

Canudo de plástico, um problema de saúde pública no planeta

Usado para facilitar a degustação das mais diferentes bebidas, os canudos de plástico estão no centro de uma campanha de preservação ambiental. No caso, o artefato é apontado como um grande poluidor.

A questão é que o polipropileno e o poliestireno, materiais dos quais geralmente são feitos os canudos, não são biodegradaveis. Quando descartados, tendem a ficar no ambiente, desintegrando em pedaços menores, que acabam sendo comidos por animais.

Segundo a campanha The Last Plastic Straw (o último canudo de plástico), só nos Estados Unidos são 500 milhões de canudos usados diariamente. O projeto foi criado para conscientizar a população sobre as consequências do uso do utensílio.

Acompanhe a seguir, vídeo que demonstra umas das consequências causadas pelo indevido descarte dos canudos na natureza.

Prefeitura de Rio Grande convida para apresentação do Programa de Desenvolvimento da Agricultura Familiar

O programa é dirigido aos donos de chácaras e sítios, produtores de Cambuci, cultivadores de chás e ervas medicinais, produtores de hortifruti e frutas nativas da Mata Atlântica

A prefeitura de Rio Grande da Serra através das secretarias de Desenvolvimento Econômico e Turismo e da Secretaria de Cidadania e Inclusão Social convida os agricultores para participarem nesta sexta-feira (29), da apresentação do Programa de Desenvolvimento da Agricultura Familiar no município.

O evento acontece na sede do Fundo social, rua Progresso, 700, às 18:00 horas.

Segundo o secretário Gilvan Mendonça, o evento que será ministrado pelo senhor João Belato, representante da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo tem como objetivo discutir o potencial agrícola de Rio Grande da Serra.

“O evento visa potencializar a produção agrícola do município apresentando técnicas além de políticas e ações de incentivo que são desenvolvidas pelo governo do Estado. Rio Grande da Serra tem pequenos produtores divididos em diversas atividades e produtos, e a administração do prefeito Gabriel Maranhão deseja contribuir com a expansão do setor possibilitando aumento na produção e geração de emprego e renda”.

Segundo ainda o Secretário de Desenvolvimento Econômico e Turístico, fazem parte do público alvo: “os donos de chácaras e sítios, produtores de Cambuci, cultivadores de chás e ervas medicinais, produtores de hortifruti e frutas nativas da Mata Atlântica”.

Evento: Programa de Desenvolvimento da Agricultura Familiar

Local: Rua Progresso, 700 – Centro

Data: 29 de junho de 2018

Horário: 18:00 horas

Domingo (10), tem bike-protesto contra Porto Seco em Paranapiacaba

Ciclistas denominados Massa Crítica, organizam para este domingo (10), um ato contra a instalação de um Porto Seco na região de Paranapiacaba. A concentração está marcada para às 09 horas no trecho de Rio Grande da Serra. Clique aqui e acompanhe a página do movimento, no Facebook.

Abaixo a íntegra do manifesto dos ativista do movimento Massa Crítica.

Estamos organizando um evento ciclístico em defesa de Paranapiacaba. A ideia é fazer um bike-protesto no dia 10 de junho, contra o “Porto Seco” que querem construir lá.

Para quem não sabe, uma empresa está com planos de erguer um centro logístico no alto da serra. A estimativa é que devastem uma área do tamanho de 90 campos de futebol, levando centenas de caminhões por dia para aquela região.

Sabemos que muitos ciclistas de toda grande São Paulo costumam pedalar em Paranapiacaba e pensando nisso, estamos mobilizando geral para que participem desta pedalada em defesa de Paranapiacaba e da Mata Atlântica.

A Massa Crítica partirá do trevo de Rio grande da Serra com destino a parte alta da vila.

SOS PARANAPIACABA – PORTO SECO, NÃO!

DIGA NÃO AO CENTRO LOGÍSTICO CAMPO GRANDE!

Santuário da Mata Atlântica, a Vila Histórica de Paranapiacaba, localizada no município de Santo André, na Região Metropolitana de São Paulo, pede SOCORRO!!!

A área afetada faz limites ou influência direta à três Unidades de Conservação públicas, uma delas entre as mais antigas do Brasil: a Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, a outra, o Parque Estadual da Serra do Mar, que pode ser considerada uma “máquina natural paulista de produção de água” e outros serviços ecossitêmicos: sequestro de Carbono, redução de calor, prevenção de enchentes, e outra o Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba. Todas abrigam incríveis espécies de fauna e flora, dentre elas mais de 23 espécies em algum grau de ameaça de extinção.

Essas Unidades de Conservação são Zonas Núcleo da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo e da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, reconhecidas pelo Programa MaB Unesco.

O projeto, para a implantação do Centro Logístico Campo Grande, empreendimento desenvolvido pela Fazenda Campo Grande, já se encontra iniciado (em ritmo acelerado) e precisa ser SUSPENSO IMEDIATAMENTE!

Trata-se de um projeto de negativo impacto social, ambiental, econômico e cultural, impactando áreas de grande potencial turístico e outras formas desenvolvimento sustentável como criação de abelhas nativas, sistemas agroflorestais, observação de aves, pesquisa e educação, etc, pretende ocupar 91 hectares (equivalente a 91 campos de futebol) desmatando áreas de florestas em estágio inicial e médio de sucessão, ocupando várzeas e campos antrópicos, estes últimos apesar de terem sido impactados no passado, ainda prestam serviços à fauna e sociedade e podem ter usos menos impactantes.

Estudos realizados na área, apontam mais de 20 espécies (peixes, serpentes, anfíbios e mamíferos) ameaçadas de extinção, um número ainda maior (48 aves) é composto por espécies altamente sensíveis à alterações e degradações ambientais. O próprio EIA-RIMA aponta que estudos foram feitos nos períodos frios, portanto feitos nas estações primavera e verão apontariam resultados mais ricos.

Não foram considerados no EIA-RIMA os morcegos, as aranhas e opiliões (possivelmente sensíveis às alterações ambientais), as minhocas e os insetos, enquanto a região tem uma espécie de borboleta (Actinote zikani) criticamente em perigo. Todos exercem papéis fundamentais no ecossistema.

O tráfego de potentes e pesados caminhões, que irá afogar e destruir estradas dos municípios ao redor, Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires, aumentará também o número de acidentes com outros veículos (como ocorriam inclusive vítimas fatais anos atrás), poluição atmosférica e congestionamentos. Irá estimular a também a construção de um viaduto, pode aumentar a violência local, já que poderá estimular roubo de cargas em rodovias.

Outro fato é a ocupação irregular que acontecerá no local ou imediações após a implantação deste projeto, pois devido à grande circulação de caminhões, logo aparecerão… Borracharias, bares, casas noturnas, etc, e com isso o aumento do tráfico de drogas e drogadição, prostituição, crimes ambientais, entre outros.

A falsa promessa de geração de emprego, renda e aumento da massa salarial, está dada com o objetivo de dividir a população local, porém sabemos que esses tais empregos não irão beneficiar os moradores da vila de Paranapiacaba, pois a promessa de renda-fixa afasta-os da cultura de desenvolvimento sustentável, são empregos de salários mínimos e com grande flutuação, pois os galpões serão alugados, portanto empresas logísticas podem montar e desmontar galpões conforme as crises ou demandas do mercado, contratando e demitindo os trabalhadores, reduzindo perspectivas de futuro.

A obra gerará impacto à beleza do local, com entornos tombados pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo), Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), são décadas de trabalhos de tombamento e aprimoramento do turismo sustentável, mais de 100 anos de conservação da biodiversidade na Reserva Biológica do Alto da Serra, 40 anos de conservação do Parque Estadual da Serra do Mar ameaçados.

Lembrem-se dos “acidentes” ambientais e sociais que tem ocorrido, no passado eles foram aprovados com o discurso de sustentáveis.

Não vamos deixar a nossa vila morrer!

Vereador Amaury participa de encontro sobre Cidades Inteligentes em Belo Horizonte

O vereador Amaury Dias (PV), participou nesta terça-feira (05) e quarta-feira (06), do Encontro Regional Sudeste Connected Smart Cities em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

O evento que aconteceu no Auditório da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, reuniu especialistas em Smart Cities (Cidades Inteligentes), representantes de entidades e autoridades que debateram indicadores de desenvolvimento, no Ranking Connected Smart Cities, das cidades de Belo Horizonte, São Paulo/SP, Campinas/SP, Rio de Janeiro/RJ e Vitória/ES.

“Uma Cidade Inteligente é aquela que cresce de forma planejada por meio do desenvolvimento de projetos urbanos integrados sustentáveis, que utilizam novas tecnologias e inovação, procurando encontrar soluções inteligentes para os problemas que afetam a cidade e a qualidade de vida de seus cidadãos, proporcionando uma cidade com mais qualidade de vida, mais moderna e, consequentemente, mais inteligente, humana e sustentável”, avaliou Amaury Dias.

O parlamentar Amaury, acompanhado pelos demais participante do encontro, participou de visita a pontos com iluminação já modernizada.

“Foi uma grande experiência uma vez que a Iluminação Pública, tem grande importância por ter como objetivo, prover claridade de estradas, avenidas, ruas, calçadas, dispositivos públicos de acessibilidade e praças públicas. De acordo com a Constituição Federal, compete aos municípios organizar e prestar diretamente esse serviço através de concessão ou permissão. Pude ver uma Parceria Público Privada muito exitosa, o que possibilitou em Belo Horizonte, uma gestão eficiente dos serviços de iluminação pública sob diferentes aspectos: Aumento da qualidade do serviço de iluminação pública, cumprimento correto das normas de iluminação pública; Investimento realizado pelo setor privado, mantendo os recursos públicos disponíveis para outros setores, operação e manutenção realizada por empresas especializadas, elevando a qualidade e reduzindo os custos, agilidade e presteza nos serviços, oferecendo o pronto atendimento para os chamados de manutenção do parque de Iluminação Pública, redução do consumo de energia do município e a melhoria na segurança pública e qualidade de vida da população”, concluiu.

No encontro, também foram debatidos temas como: Mobilidade e Acessibilidade, Tecnologia e Inovação, Empreendedorismo, Meio ambiente, Governança, Urbanismo, Segurança, Economia, Educação, Energia e Saúde.

Prefeito de São Caetano, José Auricchio é eleito vice-presidente da Frente Nacional de Prefeito.

O Prefeito de São Caetano do Sul, José Auricchio Júnior (PSDB), foi eleito nesta terça-feira (08), vice-presidente executivo da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas (ONU), em substituição ao prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB).

Segundo a FNP, o ODS é um plano de ação para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade. Ela também busca fortalecer a paz universal com mais liberdade. Reconhecemos que a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável.

O ODS é composto de 17 itens com 169 metas e busca concretizar os direitos humanos de todos e alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres e meninas. Eles são integrados e indivisíveis, e equilibram as três dimensões do desenvolvimento sustentável: a econômica, a social e a ambiental. Para saber mais, clique aqui.

 

Ciclistas organizam protesto contra Porto Seco em Paranapiacaba. A concentração será no trevo de Rio Grande da Serra.

Grupos de ciclistas do ABC e da capital paulista estão se articulando para promover um grande protesto contra a construção de um centro logístico (“Porto Seco”) na região de Campo Grande, em Paranapiacaba, no município de Santo André.

A manifestação é mais uma iniciativa do movimento SOS Paranapiacaba em conjunto com a “Bicicletada ABC”, que existe desde 2008.

O evento chamado de “Massa Crítica Extraordinária: SOS Paranapiacaba”, está marcado para acontecer no dia 10 de junho, a partir das 09 horas da manhã, com concentração no trevo de Rio Grande da Serra, de onde partirão rumo a parte alta da vila.

A expectativa dos organizadores do protesto é mobilizar centenas de ciclistas que já frequentam a região da vila andreense e que são contra o “Porto Seco”. Os ciclistas também afirmam que se sentem ameaçados com a possível “invasão” de milhares de caminhões naquele trecho rodoviário.

Segundo uma carta do movimento divulgada: “A rodovia SP 122 é caminho utilizado por mais de 90% dos visitantes. Ali circulam pedestres, atletas, ciclistas, ônibus de linha, veículos particulares de famílias a passeio; mas que, com o Porto Seco, passará a receber veículos pesados, 68 caminhões a cada hora, 24 horas por dia. Dar novos usos inesperados, sem planejamento pela municipalidade, implicará em conflitos e possíveis danos para o tráfego da SP 122, onde caminhões pesados dividirão espaço com pedestres, atletas, ciclistas, famílias em veículos pequenos e ônibus de linha, oferecendo grandes riscos de acidentes fatais. Fato esse já comprovado, quando um empreendimento irregular operou por um período, permitindo que caminhões-cegonha circulassem pela SP 122, o que gerou acidentes com vítimas fatais”.

O primeiro protesto do movimento SOS Paranapiacaba foi realizado do último dia 22 de abril na estação Campo Grande, na entrada da parte baixa da Vila e reuniu centenas de moradores, ambientalistas, pesquisadores, profissionais liberais, estudantes etc. para dar um abraço simbólico na Vila e dizer não a empresa que pretende devastas enorme área na serra do mar para instalar centro logístico na região. Depois do abraço, o movimento SOS Paranapiacaba visitou a área ameaçada de devastação, os campos, córregos, rios, e por fim, terminou o ato lendo a “Carta de Paranapiacaba” em frente ao mercado da vila.

A Massa Crítica: Um carro a menos

Segundo a Wikipedia “a Massa Crítica (do inglês Critical Mass) ou Bicicletada é um evento que ocorre tradicionalmente na última sexta-feira do mês em muitas cidades pelo mundo, onde ciclistas, skatistas, patinadores e outras pessoas com veículos movidos à propulsão humana, ocupam seu espaço nas ruas. Os principais objetivos são divulgar a bicicleta como um meio de transporte, criar condições favoráveis para o uso deste veículo e tornar mais ecológicos e sustentáveis os sistemas de transporte de pessoas, principalmente no meio urbano.

Não existem líderes ou estatutos, o que leva a variações de postura e comportamento de acordo com os participantes de cada localidade ou evento. As Massas Críticas são passeios auto-organizados e independentes – geralmente apenas o local de encontro, o dia e o horário são definidos. Em algumas cidades, o trajeto, o ponto de chegada e as atividades ao longo do percurso são decididos somente quando o evento já está ocorrendo. Claramente existe um caráter de protesto nesses eventos: os participantes demonstram, se reunindo em público, as vantagens de usar a bicicleta como meio de transporte nas cidades e também alertam para as mudanças necessárias no espaço urbano para melhor acomodar os ciclistas.

Muitas Massas Críticas têm se tornado cada vez mais criativas, como a Massa Crítica da cidade de São Paulo: já há alguns anos, é visível e crescente a tendência de utilizar bom humor e ações mais duradouras para conquistar os motoristas em vez de confrontá-los, mostrando que a bicicleta é um meio de transporte viável, rápido, saudável e prazeroso, além de passar a mensagem de que os ciclistas têm direito a seu espaço nas ruas. Essa nova postura tem mais receptividade com os motorizados e se torna mais interessante à mídia não especializada, resultando em uma exposição maior do movimento e principalmente da ideia da bicicleta como meio de transporte. Em setembro de 2006, a Bicicletada paulistana promoveu, junto com outros movimentos e entidades, várias atividades relacionadas ao Dia Mundial Sem Carros, como o Desafio Intermodal e a Vaga Viva. As iniciativas se repetiram no ano seguinte e continuaram acontecendo nos anos subsequentes.

O maior mote da Massa Crítica é “um carro a menos”, usado principalmente para tentar obter um maior respeito dos veículos motorizados que trafegam nas ruas saturadas das grandes cidades.”

Expedição Billings vai avaliar qualidade da água no fundo da represa.

Grupo de pesquisa começará a coletar amostras a partir da próxima segunda-feira (9)

O grupo de pesquisa da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul) começa na próxima segunda-feira (9) o quarto ano da Expedição Billings, iniciativa que avalia a qualidade da água do reservatório. Desta vez, além de amostras da superfície, será avaliada a água no nível profundo do reservatório.

“A análise de profundidade pode dar uma visão completamente diferente do recurso, porque poderemos observar os micro-organismos que se reproduzem e qual a variação disso”, explicou a bióloga e especialista em recursos hídricos, Marta Ângela Marcondes.

O projeto IPH (Índice de Poluentes Hídricos), feito em parceria com a ProMinent, vai coletar água em 162 pontos, sendo 50 deles em níveis de profundidade, durante um período de sete semanas. Os pontos estão localizados em São Bernardo, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra e na capital.

As amostras serão obtidas por meio de garrafa desenvolvida especificamente para coletar a água que fica parada em até 30 metros de profundidade no reservatório.

“A partir desse projeto podemos avaliar se os programas implantados estão dando certo e também descobrir o que pode contribuir para a piora da qualidade da água”, afirmou a pesquisadora.

Melhora

De 2016, para o ano passado, a represa apresentou melhora na qualidade da água. A bióloga atribui o resultado a quantidade de chuvas que atingiu a região em 2017. Por isso, os resultados de 2018 podem ser semelhantes aos do ano passado, já que o mês de março foi um dos mais chuvosos dos últimos anos.

“O volume de água aumenta e isso faz com os que poluentes sejam diluídos, melhorando a qualidade. Em contrapartida, as fortes chuvas fazem com que a água do rio Pinheiros seja transferida para a represa, trazendo muita poluição”, explicou.

Parque Linear de Rio Grande da Serra recupera espaço verde e espaço de lazer.

Inaugurado em 1º de julho de 2016, o Parque Linear em Rio Grande da Serra é mais uma opção de lazer.

O Parque Linear Luiz Antônio Correa, localizado na Avenida José Bello, no Recanto das Flores tem aproximadamente 8000 m² de área foi realizado sobre um antigo aterro e conta com quadra esportiva, quiosques, playground e ciclovia, entre outras atrações, além de monitoramento por câmera interligado com a Polícia Militar, atendendo principalmente pessoas que residem na região da Vila Conde, Recanto das Flores, Vila Tsuzuki e demais bairros vizinhos.

Com o objetivo de iniciar a última etapa do Parque, no dia 08 de fevereiro, uma reunião na Secretaria Estadual da Casa Civil, o prefeito Gabriel Maranhão apresentou ao mandatário da pasta, Samuel Moreira, o projeto da 3ª etapa do Parque Linear de Rio Grande da Serra.

A 3ª etapa do Parque Linear prevê o prolongamento da canalização existente na Avenida José Belo (área de manancial), e instalação de quadras poliesportivas e espaço recreativo e de lazer.

Através da belíssima imagem aérea captura pela equipe “Meu Drone da Serra” é possível notar a importância do parque que trouxe para Rio Grande da Serra a recuperação de importante espaço verde antes em completo estado de degradação.

Vereador Banha indica criação de Eco Pontos em Ribeirão Pires.

O vereador Edson Banha Savieto (PPS), indicou ao executivo municipal a instalação de “Eco pontos – Estação de Entrega Voluntária de Inservíveis” nos bairros de Ribeirão Pires.

“Nossa solicitação se justifica tendo em vista que com a falta dos referidos pontos de coletas têm gerado sérios problemas ambientais para a cidade, com o descarte irregular desses materiais tanto em áreas públicas como em terrenos particulares não murados, onde se prolifera insetos e animais nocivos à saúde”, disse Banha.

Segundo ainda o parlamentar “algumas pessoas se habituaram a jogar lixo em qualquer canto, e isso é uma questão cultural. Precisamos enquanto poder público orientar a população sobre novas práticas dando-lhes oportunidades reais de preservar o meio ambiente tornando nossa cidade um lugar cada vez mais sustentável”, concluiu.

Vereador Edmar solicita à Sabesp manutenção e desobstrução da rede coletora de esgoto em Ouro Fino.

Atendendo solicitação de moradores do bairro de Ouro Fino Paulista, o vereador Edmar Oldani (PV), teve requerimento aprovado em sessão realizada nesta quinta-feira (01) solicitando expedição de ofício à direção da Sabesp solicitando para que seja feita manutenção e desobstrução da rede coletora de esgoto, da Rua Japira altura do número 30, Bairro Pouso Alegre, Ouro Fino Paulista.

Conforme justificou o parlamentar “a solicitação deve-se ao fato que no local há um vazamento na rede de esgoto que está causando transtornos as residências e moradores próximos, tendo em vista que todos que os dejetos transbordados invadem essas moradias, em principal a de número 30”.

Após a aprovação do documento, a empresa será comunicada e deverá cumprir o pleito com a maior brevidade possível, é o que espera o vereador e os moradores das imediações.

Vereadores de Ribeirão Pires aprovam projeto que proíbe alimentação de pombos.

Os vereadores da Câmara Municipal de Ribeirão Pires aprovaram nesta quinta-feira (22), o Projeto de Lei nº 037/2017 que proíbe a alimentação de pombos em calçadas, vias, praças, prédios e locais públicos estabelecendo penalidades advertência apreensão do recipiente para quem for pego alimentando os animais.

Conforme justificou o autor da proposta, o vereador Anselmo Martins (PR) “apesar de simbolizarem a paz, os pombos são considerados pragas urbanas por serem hospedeiros de diversos organismos que prejudicam a saúde humana”. Segundo ainda salientou o parlamentar ribeirãopirense, “o crescimento contínuo da população de pombos nos centros urbanos” causa danos a população, “considerado uma calamidade sanitária em todo o mundo”.

O autor da proposta cita ainda que, os animais encontram nas cidades ambientes favoráveis para a sobrevivência e “diversificados tipos de alimentos oferecido além de variadas possibilidades de abrigos”.

“O controle populacional é a solução, que poderá ser feito através da redução de sua alimentação”, ainda conforme a justificativa. Os animais “alimentados procriam até seis vezes por ano, realizando postura que varia de dois a cinco ovos.  A previsão é de que, não havendo alimentação, no curto período de seis meses a situação da superpopulação seja reduzida a condições menos perigosas”.

Entre as principais doenças transmitidas pelos pombos estão complicações como: micoses, doenças respiratórias, pneumonias, infecções, febre, ínguas, ulcerações pelo corpo, anemia, náuseas, diarreia, dores de cabeça, cólicas abdominais e outras enfermidades.

Antes que siga para possível sanção do prefeito, o Projeto de Lei nº 037/2017 de autoria do vereador Anselmo Martins passa por segunda e decisiva votação na próxima quinta-feira (01 de março).

A proposta reforça ações e é prevista em Legislação Municipal

Conforme expõe a Lei Municipal nº 5.292, de 26/06/2009 que dispõe sobre ações para controle e prevenção de zoonoses sancionada pelo ex-prefeito Clóvis Volpi, em seu artigo primeiro é expresso:

“O desenvolvimento de ações objetivando o controle das populações de animais, bem como a prevenção e o controle das zoonoses no Município da Estância Turística de Ribeirão Pires passam a ser regulados pela presente Lei”.

No artigo terceiro, diz:

“Constituem objetivos básicos das ações de prevenção e controle de zoonoses:

I – prevenir, reduzir e eliminar a morbidade e a mortalidade, bem como os sofrimentos humanos causados pelas zoonoses urbanas prevalecentes;

II – preservar a saúde da população, mediante o emprego de conhecimentos especializados e experiências da saúde pública veterinária.

§ 1º Compete ao Centro de Controle de Zoonoses – CCZ, a promoção e implementação de ações de vigilância epidemiológica relacionada à zoonoses”.

Já na Seção VIII, dos animais sinantrópicos* e peçonhentos, o texto é enfático sob a responsabilidade e competência do Centro de Controle de Zoonoses de Ribeirão Pires, como segue abaixo:

Artigo 36. Ao munícipe compete a adoção de medidas necessárias para a manutenção de suas propriedades limpas e isentas de animais sinantrópicos, vetores e peçonhentos.

Artigo 37. É proibido o acúmulo de lixo, entulho ou outros materiais que propiciem a instalação, a proliferação e a alimentação de roedores, pombos, vetores e peçonhentos, seja em áreas públicas ou privadas, excetuando-se as áreas especialmente designadas pela autoridade competente para esse fim.

*Animal sinantrópico: Animal de espécie que, indesejavelmente, coabita com o homem, tal como roedores, baratas, moscas, pulgas, morcegos, pombos e outros semelhantes.

As pombas estão espalhadas pelos centros, ruas e praças das grandes cidades do mundo. É complicado chegar nestes locais sem que se encontre um grupo de pombas bisbilhotando os cantos atrás de comida. Dotadas de grande precisão devido a sua mira laser, nunca erram o alvo, sujando sempre a cabeça dos mais desavisados e manchando capôs dos carros. Luís Carlos Nunes

Abaixo a íntegra da Lei Municipal que prevê as ações para controle e prevenção de zoonoses em Ribeirão Pires.

Vereador Anselmo Martins apresenta projeto que visa controlar a proliferação de pombos e evitar doenças em Ribeirão Pires.

O objetivo é controlar a população de aves, evitando contaminações por doenças onde deverão ser criadas ações de conscientização da população para não alimentar. È melhor prevenir do que remediar

Será votado nesta quinta-feira (22) um Projeto de Lei de iniciativa do vereador Anselmo Martins (PR) que pretende implantar serviço permanente para controle de doenças e proliferação de pombos. Conforme proposta, o serviço será viabilizado pelo executivo municipal e sob responsabilidade do Centro de Controle de Zoonoses de Ribeirão Pires.

“Existe a necessidade de um plano de controle de reprodução destas aves, visto que assim como os ratos, as Pombas são classificadas como pragas por órgãos ambientais e de Saúde”, esclareceu o edil em contato com o Blog Caso de Política.

Segundo ainda justificou Anselmo Martins, o objetivo é controlar a população de aves, evitando contaminações por doenças onde deverão ser criadas ações de conscientização da população para não alimentar e não usar as aves para consumo próprio ou animal. É preciso ainda um sistema de limpeza diária nos locais onde há concentração dos pombos, pois suas fezes são prejudiciais à saúde e podem causar problemas respiratórios e afetar o sistema nervoso, podendo causar morte e pessoas e animais domésticos. É melhor prevenir do que remediar”, disse o parlamentar que confirmou ao Caso de Política que uma emenda ao projeto original será apresentada durante a sessão desta quinta-feira para alterar dispositivo que previa multa para quem fosse flagrado alimentando as aves.

Os pombos parecem aves inofensivas e muito simpáticas ao olhar por simbolizarem a paz, mas transmitem diversas doenças para os seres humanos que precisam ficar atentos para não serem contaminados.

Eles vivem em locais onde há restos de alimentos, estão em todos os lugares, especialmente onde há abundância de lixo, que também serve de alimento para pombos famintos.
A Criptococose é a principal doença transmitida pelos pombos, que contamina as pessoas através da inalação de fungos que estão presentes nas fezes deste animal. Ela ataca o pulmão e pode chegar também ao sistema nervoso central, ocasionando sintomas como dor de cabeça, sonolência e febre. Em alguns casos, pode causar até meningite. Cerca de 30% das pessoas infectadas morrem.

Outra doença comum é a histoplasmose, também transmitida pelos fungos das fezes dos pombos. Ela origina uma micose muito profunda que chega a afetar os órgãos internos do ser humano.

A salmonelose, outra doença ligada aos pombos, apresenta os sintomas de uma intoxicação alimentar, principalmente de carne contaminada. Ela causa diarreia e outras dores abdominais.
Os pombos também podem transportar alguns micro-organismos nas penas. Por causa disso, podem causar dermatites caso entrem em contato com os seres humanos. As dermatites causam muita coceira, infecções e até se transformam em alergias que afetam o sistema respiratório.
A melhor forma de evitar a contaminação de doenças transmitidas pelos pombos é não criar condições para a proliferação da ave perto de residências, não dando alimento e água. Manter forros, calhas e telhas sempre limpos também ajuda muito quando o objetivo é afastar essas aves de sua família.

Os pombos são animais muitos frequentes em qualquer cidade, e a transmissão de doenças acontece principalmente através do cocô e, por isso é preciso ter cuidado para evitar o contato direto com as fezes. Além disso, é importante que as cidades façam uma limpeza adequada das fezes, já que, quando secam, podem virar poeira e acabar sendo aspiradas para os pulmões.

A página www.pombo.org (especializada na ave) apresenta um levantamento realizado por 14 anos pelo Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina de Rio Preto. No estudo é apontado que 42 pessoas morreram vitimadas por doenças transmitidas por Pombas e que desde o início do estudo, um total de 198 pessoas vieram a óbito. Para saber mais clique aqui.

A proposta do vereador Anselmo Martins, pode de certa forma ser comparada a castração de cães e gatos para o seu controle populacional. Caso a proposta seja bem compreendida pelo cidadão, as pombas poderão inclusive migrar para outras regiões A bom tempo atrás uma pessoa me disse que “pombos são ratos com asa, na doença e na proliferação”. Luis Carlos Nunes

Gabriel Maranhão quer iniciar em breve a 3ª etapa do Parque Linear em Rio Grande da Serra.

Aconteceu nesta quinta-feira (08), uma reunião na Secretaria Estadual da Casa Civil onde o prefeito Gabriel Maranhão apresentou ao mandatário da pasta, Samuel Moreira, o projeto da 3ª etapa do Parque Linear de Rio Grande da Serra.

Participaram do encontro de trabalho, a Secretária Municipal de Obras e Planejamento, Sandra Malvese, o Secretário Executivo do Conselho de Orientação do Fumefi, Widerson Tadeu Anzelotti e o assessor técnico, Mário Sérgio.

O FUMEFI tem por finalidade financiar e investir em projetos de interesse da Região Metropolitana de São Paulo. Suas operações são formalizadas por Instrumentos de liberação de crédito celebrados pelo Agente Financeiro, o Banco do Brasil, com as Prefeituras Municipais Beneficiárias das aplicações, sempre em nome da Casa Civil, seu Agente Promotor, a que está vinculado.

Os repasses financeiros decorrentes de contratos são realizados parceladamente, mediante pareceres conclusivos da Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S/A (EMPLASA), na qualidade de Agente Técnico, emitidos a partir de valores documentalmente apresentados pelas beneficiárias, correspondentes aos serviços efetivamente executados, em conformidade com as medições mensais das obras por elas contratadas.

A 3ª etapa do Parque Linear corresponde à conclusão dos trabalhos, com o prolongamento da canalização existente na Avenida José Belo (área de manancial), e instalação de quadras poliesportivas e espaço recreativo e de lazer

Vereador Anselmo Martins se queixa da falta da operação cata bagulho em Ribeirão Pires.

O vereador Anselmo Martins (PR), teve requerimento aprovado nesta quinta-feira (01) solicitando informações para a prefeitura sobre a Operação Cata Bagulho.

Segundo o vereador “em todos os bairros da cidade é observado os descartes irregulares desse materiais em vias e terrenos públicos, isso antes das suspensão dos serviços, pois apesar do serviço ativo, não havia cronograma, datas específicas por bairros, sem eco pontos e o serviço era aleatório e não divulgado a população”.

Em vídeo, o edil relata o que classifica como grave problema em Ribeirão Pires.

Prefeitura de Mauá recuperou 115 praças em 2017.

Principal ação de zeladoria e revitalização urbana da história de Mauá, o programa Pintou Limpeza recuperou 115 praças ao longo de 2017 – ano em que foi criado pela gestão Um Novo Tempo. A ação passa por cada um dos bairros da cidade com o propósito de colocar a manutenção em dia.

As 115 praças atendidas estão espalhadas por 60 bairros da cidade. Além das ações de jardinagem, pintura e paisagismo, muitas delas ganharam academia ao ar livre e playground.

Entre os bairros atendidos estão Parque São Vicente, Jardim Zaíra, Jardim Guapituba, Sônia Maria, Capuava, Vila Assis, Jardim Anchieta, Vila Mercedes, Santa Lídia, Vila América, Cerqueira Leite, Parque das Américas, Vila Falchi e Oratório.
As ações do Pintou Limpeza incluem serviços como varrição de ruas, capinagem, operações tapa-buraco e cata-bagulho, limpeza de galerias de águas pluviais, bueiros e bocas de lobo.
Não foram somente as praças que passaram por melhorias. Ao longo do ano passado, o programa atendeu 59 escolas. Na área da saúde, foram 21 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) atendidas – restam, portanto, somente dois postos para que todos sejam contempladas.

Justiça não reconhece o direito a usucapião para famílias do bairro Pedreira.

Em decisão proferida na última segunda-feira (15/01), pela juíza Juliana Moraes Corregiari Bei, a justiça não reconheceu o direito de posse aos moradores do bairro Pedreira em Rio Grande da Serra.

O processo nº 1000012-86.2018.8.26.0512 que tem a prefeitura Municipal de Rio Grande da Serra como ré, requeria ao judiciário o reconhecimento de posse das áreas pelos moradores.

Em seu despacho, a magistrada sentencia que:

“Ocupação ou invasão do imóvel não dá respaldo à declaração de domínio e que o documento constates do processo folhas 33 à 38) comprovam que o imóvel ocupado pelos autores do processo é de propriedade da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB/SP)”.

Consta ainda na decisão judicial que “documento presente comprova que a proprietária do imóvel em questão concedeu permissão de uso do imóvel ao Município de Rio Grande da Serra e que os autores não comprovaram que são autorizados a utiliza-lo”.

Segundo ainda, e concluindo a decisão, “desta forma, a ocupação do imóvel em questão pelos autores mostra-se, a princípio e em cognição sumária, irregular, justificando a atuação do Município réu para promover sua desocupação, no exercício do poder de polícia, que não exige prévio processo administrativo”.

O tema, em Rio Grande da Serra tem movimentado intensos debates com troca de acusações.

Recentemente noticiamos aqui neste blog de que algumas casas foram demolidas e que essas moradias já estavam desabitadas e com telhas, portas e janelas retiras. As famílias receberam apoio da administração municipal com auxílio moradia. Segundo afirma o executivo “serão removidas sete famílias”. Três já foram retidas restando mais quatro que passaram a receber auxílio moradia.

No local onde já está em andamento a construção do Parque Linear, o espaço compreende 18.000 m² (dividida em três glebas, o local onde há o litígio é a gleba B) é a grande aposta do município para o desenvolvimento do turismo na cidade.

Da decisão judicial cabe recurso.

Leia abaixo a íntegra da decisão judicial.

Rio Grande da Serra: Vereador faz denúncia vazia. Ele sabia que casas estavam desocupadas e ex-moradores recebem auxílio aluguel.

O vereador oposicionista, Benedito Araújo acompanhado pela militante Keila Diniz e pelo segundo colocado nas eleições de 2018, Claudinho da Geladeira, compareceram na manhã desta quinta-feira (11), na rua José Belo, no bairro Pedreira onde um trator a mando da prefeitura municipal fazia a demolição de um imóvel.

Em vídeo postado nas redes sociais, o grupo acusava o prefeito Gabriel Maranhão falta de compromisso social em Rio Grande da Serra.

Em sua fala, o vereador Benedito Araújo disse estar indignado com a ação.

“Estou aqui na rua José Belo para mais uma vez mostra a minha indignação com o prefeito da cidade que na calada da noite vem derrubando a casa da população. Um prefeito que nem mora na cidade e não tem compromisso com o nosso povo”, disse o edil.

Para Keila Diniz a intervenção da prefeitura é irregular e arbitrária. Em sua fala ela afirma que ouviu que os servidores da prefeitura disseram que retornaram para derrubar as casas ainda que tenham pessoas dentro.

“Chegaram aqui as 6:30 da manhã, agora são 8 da manhã, os moradores chamaram a gente. Não chegaram com ordem judicial, não chegaram com qualquer tipo de documentação e estão fazendo isso. Nós temos lá dentro uma senhora que está acamada, passando mal, problema de pressão e disseram que vão voltar amanhã para derrubar a casa com pessoas dentro se tiver. Esse é o compromisso, esse é o que prefeito deixou aí para 2018 para as famílias da nossa cidade em especial para as famílias do bairro Pedreira”, argumentou Keila.

Já Claudinho da Geladeira, segundo colocado nas eleições municipais de 2016, fez no vídeo uma convocação a população.

“Quero convocar toda a população, todo o nosso povo da Pedreira para que sejam sensíveis a isso. Este governo que está, não tem compromisso com o nosso povo, nós precisamos ter esta preocupação! Está na hora da gente se unir e dar um basta a tudo isso que está acontecendo em Rio Grande da Serra! Até onde nós vamos continuar aturando!”, discursou Claudinho da Geladeira.

Ver vídeo abaixo

Vereador Benedito Araújo em entrevista confirma que sabia que as casas estavam desocupadas e que os antigos moradores estão recebendo auxílio aluguel da prefeitura.

Na noite da quinta-feira (11), por volta das 20 horas, a reportagem do blog Caso de Política entrou em contato com o vereador Benedito Araújo para tomar maiores informações sobre o caso da demolição ocorrida para a produção de matéria jornalística.

A conversa feita via celular foi registrada conforme conta abaixo. Após a nossa identificação, questionamos o vereador, ao ser questionado se as casas derrubadas estavam ocupadas, Benedito Araújo respondeu: “Olha… aquelas moradias que tem ali, o pessoal não está mais morando ali”.

Em novo questionamento sobre se o pessoal está recebendo o auxílio aluguel, benedito disse: “É! Ali não tem ninguém mais morando!”

Segundo ainda informou o vereador: “amanhã vai continuar derrubando as demais. O povo lá está bem apreensivo, porque já mora a anos lá. Tem mais umas quatro casas que a intenção é derrubar”, concluiu.

Essa reportagem tentou contato com o prefeito Gabriel Maranhão, mas não obteve êxito. Conforme levantamos, as casas demolidas estavam desocupadas onde as mesmas encontravam-se já sem janelas, portas, telhas e outros itens comuns em uma moradia.

Abaixo, segue o áudio da entrevista com o vereador Benedito Araújo

Vereador de Rio Grande da Serra denuncia abandono do parque dos Ipês.

Cumprindo o seu papel fiscalizador, o vereador Benedito Araújo (PT) denuncia as péssimas condições em que se encontra o parque dos Ipês localizado no bairro Santa Tereza.

Através de um curto vídeo e fotografias postadas em sua página pessoal no Facebook, o edil apresenta bancos quebrados, mato crescente e entulho jogado no local. Ver vídeo abaixo

“Estou aqui no parque dos Ipês mais uma vez para vocês verem a falta de cuidado com os interesses da população. Vejam só como está o parque! Totalmente abandonado! Vereador Benedito, fiscalizando e pedindo providencias”, disse.

Inaugurado em maio de 2008, o parque dos Ipês tem aproximadamente 2.000 metros quadrados e dispõe de pistas de caminhada, playground infantil e equipamentos de ginástica para idosos.

É claro que a manutenção do parque é de responsabilidade do poder público municipal. Mas não é possível aceitar que pessoas cometam essa atrocidade de jogar entulho em local indevido e inadequado. Descartar lixo em via pública, – ainda mais a cidade sendo área de preservação ambiental permanente – se configura em grave crime ambiental. Para se ter uma cidade cada vez melhor é preciso antes de mais nada, que todos cumpram com suas responsabilidades e obrigações. Luís Carlos Nunes

Rio Grande da Serra: Deputados votam em breve Lei que transforma Rio Grande da Serra em Município de Interesse Turístico (MIT).

De autoria do deputado estadual Sebastião Santos (PRB), o projeto de Lei nº 71/2017 pretende transformar Rio Grande da Serra em município de Interesse Turístico (MIT).

Com a concessão do título, o município poderá receber anualmente, mediante a projeto, o valor de R$ 550.000,00.

A proposta legislativa que pede a inclusão de Rio Grande da Serra como MIT, destaca como principais pontos: Capela de São Sebastião, Pista de Skate Sandro Dias “Mineirinho”, Estação de Trem Rio Grande da Serra, Biquinha Matarazzo, Pedreira, Bondinho e a Capela Nossa Senhora das Graças.

Na justificativa, apresentado que “O município de Rio Grande da Serra possui cerca de 44 mil habitantes e está localizado a 49 km da capital. Rio Grande da Serra tem como principal atividade econômica o comércio e a agricultura. São diversos os eventos existentes no município que atraem turistas de toda a região, bem como do Estado, como a Festa de São Sebastião, corrida Desafio Rio Grande, Carnaval, Festival Gastronômico, Festa de São Francisco de Assis, Festa da Primavera Poluída entre outros, além do município proporcionar aos turistas diversos tipos de esporte de aventura como trilhas, rapel, Jet Sky, canyoning e caiaque”.

Na cidade de Rio Grande da Serra, encontra-se em estágio avançado o Projeto do Parque Linear, conforme já publicamos aqui anteriormente. Para saber mais clique aqui e aqui.

Outro ponto que merece ser ressaltado é a aprovação pela Câmara de vereadores de Projeto de Lei que criação a Guarda Municipal. Ver aqui. Também já foi criado e empossado o Conselho Municipal de Turismo. Ver aqui.

Outro dado relevante e que pode ser muito favorável a Rio Grande da Serra para a obtenção do título de MIT foi visita de técnicos da CPTM onde foi anunciada a reforma da estação de Rio Grande da Serra. Segundo os técnicos da CPTM “já estão prontos os projetos executivos para o início das obras que tratam de acessibilidade, reforma da estação histórica e também de uma nova estação”. Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

A votação do Projeto de Lei nº 71/2017 que concede o Título de MIT a Rio Grande da Serra ainda não tem data para acontecer na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), mas segundo informa o Governo do Estado, através do DADE, a votação deve acontecer ainda neste mês de janeiro de 2018.

Veja abaixo a proposta que será apreciada na ALESP.

Ribeirão Pires: Cidadão confunde rio com lata de lixo e prefeitura faz trabalho de limpeza parcial.

Cidadãos não identificados, utilizaram as margens plácidas do Ribeirão Grande, paralelo a Avenida Prefeito Valdírio Prisco, como depósito de lixo. Várias embalagens pet, latas de refrigerante, cerveja, pneus, sofás e colchões e lixo acondicionado em bolsas plásticas, foram jogados no Rio.

O flagrante desrespeito é corriqueiro no local!

No destaque: poltrona e colchão descartados em flagrante crime ambiental

Falta de consciência ecológica, de respeito ou ambas as opções? Com ampla visibilidade nos veículos de comunicação disponíveis, a Prefeitura de Ribeirão Pires está realizando desde novembro, a dragagem desse rio, no trecho entre as proximidades do Assaí Atacadista e o Centro da cidade. Mesmo que não houvesse essa publicidade, caminhões, tratores, retroescavadeiras e homens circularam constantemente no trecho tocando a esse projeto.

O acúmulo de lixo só serve para obstruir seu curso formando barragens e colaborando enchentes

Os investimentos são altos por parte do poder local e beneficia todos os bairros e milhares de moradores ao longo do curso do flúmen, evitando que nas épocas de chuva o grande volume de água saia do leito do rio invadindo residências e o comércio. Essa atitude que fará a diferença. O acúmulo de lixo só serve para obstruir seu curso formando barragens e colaborando enchentes.

Enchentes em Ribeirão Pires já renderam dores de cabeça e repúdio de prefeito conforme já publicou o blog Caso de Política. Para ver a matéria clique aqui.

Prefeitura faz propaganda em busca de louros

Texto divulgado no site oficial da Prefeitura de Ribeirão Pires, intitulado “Prefeitura revitaliza entorno do Ribeirão Grande”, anuncia desassoreamento do Ribeirão Pires. Ver matéria clicando aqui.

Em verdade o trabalho foi realizado apenas em trecho de maior visibilidade, partindo das imediações do Atacadista Assai em sentido centro deixando para trás trecho não menos importante que segue até ao Pilar velho, onde nasce o Ribeirão Pires. Tentamos por diversas vezes contato com o secretário Diogo Maneira sem sucesso.

Neste trecho é encontrado muito lixo, o que se configura em verdadeiro crime ambiental e onde houve intervenção por parte da administração municipal não é raro se encontrar pneus e outros materiais poluentes e não biodegradáveis.

Nada conta a religiosidade e crença das pessoas, mas em determinada “encruzilhada”, conhecida por severas inundações, é possível quase que semanalmente se encontrar oferendas a Orixás conforme se constata em imagem feita nesta tarde de hoje. O ideal era que a mesma pessoas que prestou reverencia a seus Santos, também fizesse o recolhimentos das embalagens.

Ajude a manter a cidade limpa:

  • Separe e embale o lixo, mantendo-o fora do alcance de crianças e animais.

  • Não deixe lixo em casa, no quintal ou na garagem, evitando assim doenças e mau cheiro.

  • Se guardar pneus velhos, garrafas e latas, certifique-se de que estejam em local que não acumule água.

  • Ao passear com seu bichinho de estimação, leve recipiente para recolher os dejetos dele.

  • É proibido por lei jogar lixo nas calçadas, ruas, rios, valetas e terrenos baldios, além de queimar lixo a céu aberto, pois causa poluição do ar e doenças.

Face a esses transtornos por conta da falta de bom senso de alguns cidadãos e da própria prefeitura, é preciso colaboração de todos. Esta reportagem viu inclusive o trator de esteira ceifar arvore nativa enquanto realizava o dito desassoreamento. Que munícipes sejam mais responsáveis e que a prefeitura deixe de “produzir informação” e propaganda enganosa. O Ribeirão Grande, que nasce no Pilar Velho e desce pela atual Av. Prefeito Valdírio Prisco até fazer barra na Represa Billings. O Ribeirão Pires, que deu origem ao nome do município, passa atrás de uma colina chamada “Morro Santo Antônio”. Além disso possui uma série de nascentes, que sustentam o comércio de água, uma das grandes atividades econômicas do município.Luís Carlos Nunes

Donos de animais domésticos devem preparar ambiente para a noite de Réveillon.

A queima de fogos na virada de ano é tradição em muitas cidades do país. Mas o que é motivo de alegria e deslumbramento entre as pessoas, acaba sendo um momento de desespero para os animais, silvestres e domésticos. É possível, entretanto, criar um ambiente seguro para os animais de estimação, para minimizar os riscos de fuga ou para evitar que eles se machuquem.

“A nossa capacidade humana de perceber o mundo não é a mesma dos animais. A sensibilidade de audição e visão pode ser mais ou menos apurada para cada espécie. Nós temos uma capacidade de um gradiente de cores muito mais complexo que a maioria dos animais, mas a percepção auditiva deles é mais apurada que a nossa”, disse a médica veterinária Vânia Plaza Nunes, diretora técnica do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal e especialista em comportamento e bem-estar animal.


A luz, o barulho, a pólvora e o brilho dos fogos de artifícios podem causar impacto nos animais

Os riscos para os animais, segundo Vânia, são vários. A luz e o brilho dos fogos de artifícios podem causar mais impacto nos animais noturnos por exemplo, como os morcegos e os gatos. “Eles têm uma acuidade visual muito grande, então pouca luz já é suficiente. Então aquilo [fogos] causa pânico, porque foge ao padrão normal a que eles estão acostumados”, explicou.

Para o olfato, as bombas e fogos também são prejudiciais, pois liberam pólvora e outras substâncias químicas e metais. Mesmo quando os fogos são disparados de balsas no mar, como no Rio de Janeiro, as substâncias se depositam na água, onde também há muitas espécies de animais.

“Com o som, o problema é mais grave ainda”, disse a especialista, pois eles captam os infrasons e os ultrasons, que não são percebidos pelos humanos. “Os morcegos usam isso para se orientar. Se você solta fogos em área perto de mata, eles vão perder a capacidade de voar, podem cair, entrar na casa das pessoas. Para os cães e gatos aquilo também não faz parte do comportamento normal, eles ficam muito assustados”, explicou Vânia.

Segundo a médica veterinária, nesses momentos, os animais têm o chamado comportamento de luta e fuga, que é o comportamento instintivo que todos os seres vivos têm para tentar se defender. Ela explicou que, assim como os animais, pessoas com autismo e crianças pequenas também se incomodam com os efeitos dos fogos.

Preparando o ambiente

Vânia dá dicas que podem ser adotadas para amenizar o estresse e evitar que os animais fujam ou se machuquem. Nas horas mais próximas à virada, para quem ainda tem aves em gaiola, ela orienta a deixá-las em um ambiente fechado e supervisionar os animais. “Deixar água suficiente apenas para beber, mas sem risco de se afogarem caso sofram uma queda”, disse.

Para cães e gatos não é recomendado administrar calmantes, mas, uma semana antes do Réveillon, eles podem usar florais de Bach, que são extratos naturais que ajudam a acalmar. “E sempre que possível, procurar orientação do veterinário”, disse Vânia.

Com antecedência, é possível preparar um ambiente confortável para o animal de estimação enfrentar o Réveillon

Segundo ela, com antecedência, é possível preparar um ambiente confortável para o animal de estimação e, aos poucos, ir acostumando-o com esse ambiente. É importante não deixar objetos que ele possa derrubar e não deixar portas ou janelas abertas, mas evitando que o ambiente fique excessivamente aquecido. Também existem os feromônios de apaziguamento, que podem ser colocados no ambiente para deixá-lo mais harmônico. Essas substâncias podem ser encontradas nas boas casas de produtos veterinários.

A especialista recomenda ainda colocar uma música ambiente em uma intensidade que vai competir um pouco com o som externo. “E, se possível, a pessoa pode ficar junto, porque a companhia acalma o animal. Mas tomando cuidado para não reforçar o comportamento de medo para o animal”, explicou.

Existe ainda uma técnica de enfaixar o cachorro, que funciona como um abraço, e pode trazer tranquilidade nos ambientes hostis. Segundo Vânia, a faixa levemente elástica deve passar pelo peito do cão e cruzar e amarrar nas costas.

Mudança de comportamento

Para Vânia, as pessoas poderiam abolir os fogos de artifício como forma de diversão. “Talvez usar os recursos de uma forma melhor, empregar o dinheiro para minimizar os danos ambientais e criar outros mecanismos de celebração social”, disse. “Mesmo estando no século 21, continua-se reforçando esse tipo de prática. Está na hora de mudarmos esse marco civilizatório”.

Segundo a especialista, muitas cidades estão conseguindo avançar em projetos de lei que regulam a comercialização e queima de fogos de artifício, como Campinas, Santos e Sorocaba, todas no interior de São Paulo. “Tem uma minimização, mas não resolve o problema”, disse.

Vereadores Manuela e Zé de Zuza conquistam trator para a Associação Nova Terra do Pavão.

Os vereadores de Formosa do Rio Preto, Manuela da Saúde e Zé de Zuza participaram de ato nesta quinta-feira (28), na cidade de Bom Jesus da Lapa onde acompanhados pelo senhor Antônio Alves de Barros, presidente da Associação Nova Terra da comunidade do Pavão e região, onde receberam um trator da Codevasf.

“A comunidade ficará muito grata e animará a trabalhar com a agricultura porque a mão de obra braçal é muito pesada. Eu sou acostumado com o trabalho braçal, mas a juventude de hoje não quer mais, não”. As palavras são de Antônio Alves de Barros, presidente da Associação Nova Terra da comunidade do Pavão e região, do município de Formosa do Rio Preto.

Segundo informou a vereadora Manuela, este é o primeiro trator doado para uma associação por intermédio da articulação de vereadores. A emenda partiu do deputado federal Arthur Maia.

“Com certeza, um equipamento agrícola como esse ajudará muito no desenvolvimento da agricultura em nossa comunidade. Porque, como chove pouco em nossa comunidade, a produção está ficando mais focada na pecuária. Não estamos tendo muito êxito na lavoura. E o trator vai ajudar muito para arar a terra, semear, limpar as moitas”, disse a vereadora Manuela.

Manuela informou ainda que o advogado Bira Lisboa teve papel de grande relevância para a garantia do trator para a associação do Pavão.

O blog Caso de Política entrou em contato por telefone com o líder Bira Lisboa que argumentou sobre as dificuldades que foram apresentadas. Segundo Bira Lisboa “o ambiente político muitas vezes necessita de posicionamentos e articulações e as boas relações podem trazer bons resultados”.

“Fico feliz porque as gestões que fiz, juntamente com a vereadora Manuela, foram decisivas para conseguir o trator para a comunidade do Pavão que há muito tempo reivindicava esse bem. Não posso deixar de agradecer à força e o apoio dado vereador de Bom Jesus da Lapa, Neto Magalhães e do gerente regional do INCRA Gedson Ramos”, argumentou Bira Lisboa.

Já o vereador Zé de Zuza, que também é o atual presidente da Câmara de vereadores de Formosa do Rio Preto, não escondeu a sua satisfação e alegria pela conquista.

“É com muita alegria que venho aqui hoje para essa ação, que é muito importante porque fortalece a agricultura familiar. A associação dá um apoio muito grande aos pequenos produtores rurais na colheita do feijão, do milho, também para arar a terra. E esse trator vai ajudar muito aos associados. O trator com a grade facilitará a vida desses produtores”, disse Zé de Zuza.

Rio Grande da Serra: Maranhão dá posse ao Conselho de Turismo Municipal.

O prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão deu posse ao novo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) na manhã da quarta-feira (13).

O ato oficial, contou com a presença do Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Gilvan Mendonça, do Presidente eleito do Conselho, Cristopher Ferraz de Araújo, e dos demais membros que compõem o COMTUR.

No encontro entre o poder municipal e o Conselho ficou acertado entre as partes que o setor gastronômico do tradicional Festival do Cambuci será gerenciado pelo conselho, priorizando sempre o comércio local.

O setor do Turismo, uma das principais apostas do governo Gabriel Maranhão e visto como estratégico e alavanca capaz de promover no município desenvolvimento econômico e social.

Conforme noticiamos aqui no Blog Caso de Política que a Prefeitura de Rio Grande da Serra, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turístico, protocolou no dia 07 de agosto de 2017 documento solicitando efetivação da cidade como município como sendo um Município de Interesse Turístico (MIT). Informações do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos (DADE) dão conta de que até janeiro de 2018 o resultado será divulgado. Clique aqui para ler a matéria completa.

Transformar-se em MIT (Município de Interesse Turístico), explorando os potenciais culturais e da natureza já existentes no local, pode ser uma saída econômica interessante uma vez que os MITs recebem recursos anuais do governo do Estado para investimentos na infraestrutura do setor como a sinalização, divulgação e atendimento que chegam a R$ 650 mil por ano.