Comissão Especial para Implantação da Universidade Federal do Oeste da Bahia

A comunidade artística e cultural do Território de Identidade da Bacia do Rio Grande, através da sua Câmara de Cultura, vem manifestar sua preocupação em relação às discussões sobre a formação nas áreas de artes, cultura e humanidades no projeto e na implementação da nova universidade. Manifesta, da mesma forma, seu interesse em participar e contribuir nesse debate, tendo em vista a demanda existente no referido território de identidade, assim como nos demais que farão parte do chamado “Território Ufoba”, para a criação de cursos nessas áreas.

Acreditamos que a riqueza cultural da região do oeste baiano, representada pelos seus patrimônios materiais e imateriais, além de grupos criadores de cultura, constituídos pelas (e constituidores das) diversas identidades que contribuíram e contribuem para a construção do território, justifica a inclusão de cursos voltados para a promoção e preservação dessas identidades e desse patrimônio artístico e cultural. E aqui, vale ressaltar, temos em mente a formação nas áreas de Linguística, Letras e Artes (Artes Plásticas, Música, Dança, Teatro, Cinema, Educação Artística), bem como a ampliação dos cursos da área de Ciências Humanas (Filosofia, Sociologia, Antropologia, Arqueologia, entre outros), os quais irão se somar aos já existentes.
Também dialogam com esse perfil, voltado para a formação humana, artística e cultural, os cursos das chamadas Ciências Sociais Aplicadas, entre os quais destacamos Arquitetura e Urbanismo, Comunicação Social, Museologia, Arquivologia, Turismo e Serviço Social. A formação profissional, o desenvolvimento de pesquisas, a cooperação entre a universidade e a comunidade através de projetos de extensão, seriam algumas das possibilidades de promoção da cultura e do consumo cultural em uma região em que observamos pouco ou nenhum investimento público nesse setor.
Desejamos, por outro lado, expressar nosso receio no que diz respeito à pouca publicidade que vem sendo dada às atividades dessa Comissão junto à sociedade de Barreiras e das demais cidades beneficiadas direta e indiretamente pela criação da Universidade Federal do Oeste da Bahia, o que certamente inviabiliza o debate do projeto junto a todos os setores nele interessados.
Temos conhecimento da divulgação do documento “Universidade Federal do Oeste da Bahia – O povo e a educação de sua gente”, de dezembro de 2011, bem como da realização de audiências públicas nas cidades que possivelmente abrigarão os campi da nova universidade (Barreiras, Luís Eduardo, Barra e Bom Jesus da Lapa, segundo informa o documento de 2011), além de algumas reuniões no Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável-ICADS, em Barreiras. São iniciativas positivas, que indicam um trabalho ainda em andamento, mas gostaríamos de ressaltar a importância e a necessidade de uma divulgação maior dos trabalhos, bem como um envolvimento efetivo da população na discussão e implementação do projeto.
Entendemos que a nova universidade do oeste baiano precisa envolver e atender as demandas de todos os grupos e setores interessados na (e beneficiados pela) sua implementação, e isso certamente se mostra na diversidade de cursos a serem instituídos. O Projeto de Lei 2204/2011 menciona a criação de 35 cursos, mas, que cursos serão esses? Que critérios nortearão a sua definição? E os quatro campi mencionados no projeto original (Barreiras – sede, Luís Eduardo Magalhães, Barra e Bom Jesus da Lapa), além do recém-incluído campus de Santa Maria da Vitória, que perfis terão? Como essas questões estão sendo discutidas? Como a comunidade artístico-cultural dessas cidades e seu entorno, além de outros setores, podem participar?
Ressaltamos que a publicidade das atividades dessa comissão e o envolvimento da sociedade se faz importante para que, desde a sua criação, seja determinada a identidade e o papel social da nova universidade, e nos preocupa diretamente debater o quanto ela está e estará preocupada com a preservação e promoção da arte, da cultura e da memória do oeste baiano.
Por fim, solicitamos a realização de uma audiência com a Comissão Especial, visando discutir e esclarecer os pontos colocados nesta carta. Consideramos esta uma ocasião propícia para essa mobilização, tendo em vista a recente aprovação, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados, de seminários regionais sobre o PL 2204/2011, agendados para o mês de abril de 2013 nas cinco cidades que abrigarão os campi da UFOBA. Os segmentos culturais e artísticos do chamado “Território Ufoba” certamente estarão presentes nesses momentos, manifestando suas prioridades em relação à nova universidade.
Barreiras, 12 de abril de 2013.
Câmara de Cultura do Colegiado do Território da Bacia do Rio Grande

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.