CPTM aguarda recursos para restaurar passarela da estação de Rio Grande da Serra.

Trabalhadores atuando no corte da passarela metálica em Rio Grande da Serra: quase 30 horas de serviço

A  Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) está aguardando recursos financeiros para fazer a restauração da passarela que fica na Estação Rio Grande da Serra. A passagem está interditada desde março de 2016, por não oferecer condições de segurança aos usuários, segundo a Companhia.

Momento em que a passarela foi içada pelo guindaste

No último sábado (21), uma grande operação foi montada para a retirada da passarela que passa sob a linha férrea na estação de trem de Rio Grande da Serra. A parte final do serviço foi cortar as partes fixas que ainda prendiam a estrutura às escadas. Já havia escurecido quando, enfim, a estrutura foi erguida e retirada de seu local.

O fato foi comemorado pelos trabalhadores, que após quase trinta horas em atividade, tiveram sucesso obtido em seu serviço. Na empreitada, um grande caminhão esteve parado no local, o que indicava que a passarela metálica seria removida e transportada do local, porém; a remoção foi feita e a grande passarela foi alocado em cima dos trilhos por um grande guindaste com capacidade de movimentar 220 toneladas.

Representantes da CPTM no local, não souberam informar um prazo para o início das obras ou para a instalação da passarela restaurada, apesar de a passagem já ter sido removida.

A estação é tombada pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico), portanto, a passarela deve ser restaurada para que possa ser liberada com segurança aos usuários, em vez de ser simplesmente substituída por outra estrutura.

“O equipamento faz parte do conjunto da estação ferroviária tombado pelo Condephaat (Resolução SC-76/2011) e a Companhia aguarda disponibilidade de recursos para contratar projeto para restauração. O valor da obra será conhecido após a conclusão do projeto” – informou a CPTM, em nota ao Diário do Transporte.

Desde 2016, a travessia de pedestres na Estação Rio Grande da Serra é feita sobre a via férrea. O local conta com uma cancela e avisos sonoros para alertar os transeuntes quando o trem se aproxima.

“A CPTM está trabalhando para tornar todas as estações acessíveis. A Estação Rio Grande da Serra está inclusa no lote de 34 unidades que terão os projetos de adequação de acessibilidade iniciados”– informou também a Companhia, em nota.

Em conversa com o vereador Clauricio Bento que acompanhou boa parte dos trabalhos, ele falou que “a bom tempo, junto com o prefeito Gabriel Maranhão, estou correndo atrás desta restauração, e vamos continuar cobrando. No primeiro dia útil após o feriado entraremos em contato com deputado Estevam Galvão e com o presidente da CPTM para agilizar o quanto antes os serviços. Acredito que tudo poderia ter sido melhor planejado”, disse.

Deixe uma resposta