Doenças do século 19 persistem no país com descaso da indústria, diz pesquisadora

Mesmo que o maior enfrentamento da saúde brasileira seja no tratamento de doenças crônicas, cardiovasculares e câncer, responsável pela maioria das mortes no país, o Brasil ainda não venceu a batalha contra as enfermidades do século 19. Ainda resistem por aqui enfermidades como doença de Chagas, leishmaniose, malária, esquistossomose, hanseníase, tuberculose e dengue. De acordo com a pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Tânia Araújo Jorge, essas doenças infecciosas atingem em cheio a pobreza e são negligenciadas pela indústria farmacêutica em geral. “Não tem interesse em investimento de pesquisa para geração de vacina, de medicamentos, porque é um mercado pobre, a atividade econômica não dá sustentação para um mercado global”, avaliou. Dados do Ministério da Saúde apontam que, apesar de essas doenças serem responsáveis por menos de 5% das mortes no país, elas são ainda muito frequentes e reforçam a desigualdade social e as sequelas que alimentam o círculo da pobreza. “Em crianças, atrapalham o rendimento escolar, atrapalham o crescimento, e, em adultos, atrapalham a inserção no mercado de trabalho, de forma que sustenta um círculo que mantém a pobreza” disse a especialista. Informações da Agência Brasil.
You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply