Em verdade, política é uma guerra de astúcias e estratégias.

Num cenário extremamente intricado, digno de ser comparado a um jogo de xadrez, o prefeito

Saulo Benevides, após e por algumas vezes ameaçar abortar a disputa para se reeleger, foi convencido por correligionários de que nem tudo está perdido.

Acontece que o mesmo foi alertado que a sua elevada rejeição e sem ter o que apresentar ao eleitorado, existe um fator positivo diante do atual cenário, com o PPS, PSB, PMDB, PMB, PT, PRB, PSTU, Rede e PSL encabeçando chapa majoritária o que conta de fato são os seus apoiadores e a agilidade da máquina.

Saulo meditou e chegou a marcar coletiva com a impressa e desmarcar horas depois.

“Existe sim fundamento! Afinal serão 9 candidatos disputando aproximadamente 60.000 votos”.

Numa reunião, Saulo, respeitado como bom operador e nem tão bom gestor apontou pelo menos uma trinca de possíveis nomes a dar o seu apoio, sem confirmar, apenas para análise.

Sob protestos, saiu o alvo a ser abatido. Saiu aquele que arcaria com a sua indesejável companhia. Fato!

O jogo requer muita perícia!

Requer enxadristas hábeis e capazes de jogar o bom jogo. Saulo nessa tábua lançada, se agarrou no discurso “do quanto mais melhor”.

Porém, não seria Saulo o único beneficiário dessa sopa de letrinhas. Partidos como o PT que amarga alta rejeição, tem candidato que em sua avaliação pessoal é bem quisto e ferrenho oposicionista. Tem o Dedé que mesmo antes de anunciar sua disposição para o pleito, frequentou levantamentos de intenção de voto sempre na casa de dois dígitos. Tem o Grecco que já foi mandatário nessas terras.

Outros, porém já tiveram vida mais fácil, hoje já não são tão bem vistos, segundo afirmam analistas dos ditos papeis “perguntatórios”.

Em verdade, política é uma guerra de astúcias e estratégias!

Se a compararmos com um zoológico, encontraremos tudo quanto é tipo de bicho: macaco, elefante, girafa, papagaio, veado, cobra, gambá, cavalo, leão, foca, tubarão, anta, mico, ornitorrinco… Tudo quanto é bicho! Menos o bicho burro!

Deixe uma resposta