Joaquim Barbosa baixa centralismo e encobre plenário


Presidente do STF deita, rola e apronta na Costa Rica; em inglês, discursa em seminário sobre liberdade de imprensa da Unesco dizendo que imprensa brasileira é racista; “São raros os não brancos na televisão”, disse; ele avançou pelo terreno ideológico; para Barbosa, jornais, revistas e tevês “tendem para a direita”; não lembrou, nem em inglês nem em português, que destratou repórter do Estadão, semanas atrás, mandando-o “chafurdar no lixo”; a jornalistas que viajaram a convite do tribunal, Barbosa mandou avisar que recursos impetrados pelos 25 condenados na Ação Penal 470 não conseguirão mudar sentenças; “Embargos podem não sobreviver”, decretou; sem ao menos ter lido os instrumentos e procurando encobrir posições contrárias de demais juízes do Supremo, paladino da Justiça buscou ultrapassar plenário e fazer as vezes, ainda esta vez, de valentão da vizinhança; até onde Barbosa quer chegar com essa prática de confronto às instituições?; é com essa, digamos, plataforma que almeja ser presidente da República?; acorda, justiceiro! Leia a íntegra no 247.
You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply