Lair Moura aparece em lista de “fichas-sujas do Tribunal de Contas.

Lair

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP) divulgou uma listagem, que será encaminhada ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) uma lista com mais de 2.500 nomes de gestores públicos e ordenadores de despesas que tiveram suas contas julgadas irregulares pelo colegiado.

Na relação consta o nome de Lair Moura, candidata a vice-prefeita com sua irmã Leo Moura, ambas pelo PMB. (para acessar a lista clique aqui)

A decisão correu com Trânsito em Julgado em 28/03/2011. No processo nº: 11428/026/05, Lair Moura, presidente a época da Associação de Prevenção Atendimento Especializado e Inclusão da Pessoa Deficiente de Ribeirão Pires – APAEI de Ribeirão Pires, atual Apraespi, recebeu auxílio financeiro da Secretaria de Estado de Estado da Educação no valor de R$646.062,00.

Segundo auditoria do TCE apontou que “a comprovação dos gastos efetuados, verificou-se que os documentos apresentados pela beneficiária não estavam de acordo às cópias dos documentos comprobatórios, juntadas nos processos de prestação de contas não continham as informações referentes à subvenção a que se referiam.

Também, ainda quanto à comprovação dos gastos efetuados, não houve cumprimento e/ou a inobservância do § 8º da Cláusula Quarta e Cláusula Sexta do Convênio firmado em 15/03/2002 (fls. 752/759), visto que: Ocorrera aplicação de R$26.310,00 em desacordo com o plano de trabalho proposto pela entidade beneficiária.

Ainda na decisão do Tribunal de Contas, Lair representante da entidade, “não propôs alteração do plano de trabalho aprovado, conforme dispõe a Cláusula Sexta do Convênio, para, se aprovado pelo órgão concessor, ter efetuado as despesas que não se coadunavam com o plano original.”

O período considerado para o enquadramento são os 8 (oito) anos imediatamente anteriores a cada eleição, que, em 2016, terá o primeiro turno realizado no dia 2 de outubro. A divulgação da listagem é prevista pelo artigo 11, parágrafo 5º, da Lei nº 9.504/1997, c/c o artigo 1º, inciso I, alínea “g”, da Lei Complementar nº 64/1990, alterada pela Lei Complementar nº 135/2010 (“Lei da Ficha Limpa”). Trata-se da relação de pessoas físicas que tiveram contas julgadas irregulares por decisão contra a qual não cabe mais recurso.

A legislação prevê que a Justiça Eleitoral pode declarar inelegíveis aqueles que constarem da lista fornecida pelo Tribunal de Contas.

A sentença que enquadrou Lair Moura como “ficha suja” foi proferida pelo Conselheiro relator Antonio Roque Citadini.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.