A mentira e o antropófago social. Por Luís Carlos Nunes

714px-cannibals.23232

É dito e propalado com muita propriedade que a verdade liberta. Já a mentira aprisiona o próprio autor dela pela eternidade. Também como já foi dito, a verdade quando dói, dói só uma vez e a mentira é dolorosa sempre que é revivida. Há pessoas que mentem reiteradamente porque sofrem de uma patologia chamada de personalidade perversa, caracterizada pela ausência de efetivo sentimento social e por extrema insensibilidade moral. A inteligência é usada para mascarar a sua debilidade para relações interpessoais saudáveis.

O mentiroso crônico (mitófago) é um antropofágico social, que não come a carne humana, mas devora a reputação do outro ainda com maior prazer.

No entanto pior que o mentiroso doentio é o mentiroso estrategista, que mente pela simples covarde e medonha intenção de atingir o outro no que ele tem de mais importante: a sua honra. O primeiro é perverso porque é doente, o segundo por opção. Este é canalha, indecente, indigno. O primeiro precisa de uma camisa de força e um internamento para ser tratado, o segundo merece a prisão perpétua. A maledicência sem fundamento é mentira perversa. Maledicência é “inverdade”, “calúnia”, “difamação”. A maledicência se espalha pela boca dos seus amantes como a peste bubônica que assolou europeus e asiáticos há alguns séculos trás.

Muitas das vezes “a verdade dói, a mentira mata e a dúvida tortura”, como falou o jamaicano Bob Marley.

Mesmo a “boa” mentira é algo ruim, pois é um logro, um embuste, uma ilusão. Nosso Mestre Jesus disse que “O Diabo jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é o pai da mentira”.

Consta no livro Provérbios, de Salomão: “Há seis coisas que o Senhor detesta e a sétima ele abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que maquina projetos iníquos, pés que correm para o mal, testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.”

Luís Carlos Nunes é editor do Blog Caso de Política e do impresso Repórter ABC

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply