Papa Francisco aos padres: #vempraruavem

Em tom político-social, o papa Francisco pede aos bispos, sacerdotes e religiosos que deixem a zona de conforto e busquem estar próximos ao povo; “é nas favelas que nós devemos ir procurar e servir a Cristo”, lembrou; pontífice também defendeu a tarefa de “reabilitar a política”, que, segundo ele, é uma das “formas mais altas de caridade”.

(Reuters) – O papa Francisco pediu neste sábado ao clero católico que deixe a zona de conforto e o isolamento para sair às ruas e servir os mais pobres e necessitados.
Em missa celebrada na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro para bispos, sacerdotes e religiosas, o papa ressaltou a importância de três aspectos da vocação: os chamados para Deus, chamados para anunciar o Evangelho e chamados a promover a cultura do encontro.
Francisco disse que o “permanecer” em Cristo não é se isolar, mas é um permanecer para ir ao encontro dos outros. O papa, lembrando a madre Teresa de Calcutá, disse que a vocação deve ser motivo de orgulho, pois dá a oportunidade de servir Cristo nos pobres.
“É nas favelas que nós devemos ir procurar e servir a Cristo”, lembrou.
Na primeira missa celebrada na catedral, o papa fez um apelo aos bispos e sacerdotes, muitos no Rio para acompanhar jovens na Jornada Mundial da Juventude, que os ajudem a ser discípulos missionários também, e que saiam das paróquias para levar o Evangelho.
“Não se trata simplesmente de abrir a porta para acolher, mas de sair pela porta a fora para procurar e encontrar. Decididamente pensemos a pastoral a partir da periferia, daqueles que estão mais afastados”, disse.
Francisco voltou a criticar o que chamou da “cultura do descartável”. “Às vezes parece que para alguns as relações humanas são regidas por dois ‘dogmas ‘ modernos: eficiência e pragmatismo.”
O papa disse a bispos, sacerdotes e religiosos que não tenham medo de ir contra a corrente, que acolham a todos.
Desde sua eleição em março como o primeiro papa não-europeu em 1.300 anos, Francisco tem cobrado que os líderes da Igreja pensem menos em suas próprias carreiras na Igreja e ouçam mais o choro dos famintos, para preencher seus vazios material e espiritual.
Papa diz que o futuro exige a tarefa de “reabilitar a política”
Douglas Corrêa e Paulo Virgílio
Repórteres da Agência Brasil
Rio de Janeiro – O papa Francisco disse hoje (27/julho) em seu discurso no Teatro Municipal que a sociedade é responsável pela formação das novas gerações, nas áreas política e econômica, primando pelos valores éticos. Ele destacou ainda a importância de se combater a pobreza.
“O futuro exige hoje a tarefa de reabilitar a política, que é uma das formas mais altas da caridade. O futuro nos exige também uma visão humanista da economia e uma política que logre cada vez mais e melhor a participação das pessoas, evite o elitismo e erradique a pobreza. Que a ninguém falte o necessário e se assegure a todos dignidade, fraternidade e solidariedade”.
O encontro reuniu políticos, dirigentes empresariais, personalidades da vida cultural, líderes religiosos e de movimentos sociais e representantes diplomáticos.
Ao citar o pensador católico brasileiro Alceu de Amoroso Lima, o papa disse que “quem tem o papel de responsabilidade em uma nação está chamado a enfrentar o futuro, com o olhar tranquilo de quem sabe ver a verdade”.
O papa disse que três aspectos são importantes para uma caminhada calma, serena e sábia: a originalidade de uma tradição cultural, a responsabilidade solidária para construir o futuro e o diálogo construtivo para confrontar o presente.
Com relação ao primeiro aspecto, o pontífice destacou a originalidade dinâmica que caracteriza a cultura brasileira “com sua extraordinária capacidade para integrar elementos diversos”. Para Francisco, essa capacidade pode “fecundar um processo cultural fiel à identidade brasileira e, por sua vez, um processo construtor de um futuro melhor para todos, um processo que faça crescer a humanização integral e a cultura do encontro. Essa é a maneira cristã de promover o bem comum, a alegria de viver”.
Sobre a responsabilidade social, o papa disse que ela requer um certo tipo de paradigma cultural e político. “Somos responsáveis pela formação das novas gerações, ajudá-las a serem capazes na economia e na política e firmes nos valores éticos. O futuro exige hoje a tarefa de reabilitar a política, que é uma das formas mais altas da caridade”.
Depois de recordar uma passagem bíblica do profeta Amós, Francisco disse que “os gritos que pedem justiça continuam ainda hoje. Quem desempenha o papel de guia, aqueles a quem a vida ungiu como guias, têm que ter objetivos concretos e buscar os meios específicos para alcançá-los, porque pode existir o perigo da desilusão, da amargura e da indiferença quando as expectativas não se cumprem”.
O papa fez também um apelo à esperança que nos impulsiona a ir sempre mais longe e o emprego de toda a capacidade em favor das pessoas para as quais se trabalha. “A visão ética aparece hoje como um desafio histórico sem precedentes. Temos que buscá-la e inseri-la na sociedade.”
You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply