A Radiola dos Insensatos informa que tudo pode ser mera coincidência.

O alcaide mor, tentando dobrar o Cabo das Tormentas

Em Sucupira City, capital dos buracos e dos quebra-molas, o alcaide-mor, confirma ao senhor vice-rei das “Distâncias” que está enfrentando um motim a bordo da nau capitânia.

As corporações estão berrando, a plenos pulmões, que o alcaide deu uma tesourada em 30% dos seus estipêndios. As perseguições recém começaram.

A par de não ter dinheiro para corrigir a superfície lunar de Sucupiris, contratou um contador – expert no “pode” e no “não” deve – por pesadas coroas e um causídico especialista em lama por quilos de ouro armazenados em santos ocos, não fosse a chusma de rabulejantes que o servem na Procuradoria da Vila.

Por outro lado, um exímio planejador de remendos no cabildo, agora é taifeiro-geral das “curturas”. Tudo que ele acha curto, emenda mais um pedaço.

Remédio para o populacho não tem, consultas para o zé povão não tem e para fazer um simples exame, o dito cujo povinho tem que apresentar atestado ideológico no gabinete, onde reinam as profetisas dos mais augúrios, as bruxas de Salém.

E a residência pediátrica está acabando mesmo? Foi removida? Qual o seu futuro? Respostas na próxima edição da Radiola dos Insensatos. adaptado do original de Carlos Alberto Sampaio – OExpresso

Deixe uma resposta