Ribeirão Pires: disputa pela presidência da Câmara se acirra.

Ao menos cinco nomes são citados para a disputa da cadeira máxima de Ribeirão Pires. São cotados como possíveis postulantes, Rubão Fernandes, Amigão D’orto, Silvino Castro, Paixão e o atual presidente, José Nelson.

A disputa para a próxima legislatura tem razões mais que especiais: O próximo presidente da câmara poderá assumir interinamente a cadeira de prefeito em função do prefeito eleito, já enquadrado na Lei de Ficha Limpa estar com as suas contas de quando era presidente da Câmara de Rio Grande da Serra em 2004 e ter o transito e julgado pela justiça paulista em 2014.

Kiko, julgado no último dia 06 de dezembro pelo Supremo Tribunal Federal (STF), teve decisão monocrática anulada pela votação de três votos a um em seu desfavor sendo enquadrado na Lei de Ficha Limpa. O processo será encaminhado ao Tribunal Superior eleitoral que julgará a validade legal de sua votação em Ribeirão Pires onde obteve 30,31%. Caso o TSE confirme a ilegalidade do registro de candidatura de Kiko, existem duas possibilidades: novas eleições poderão ser convocadas ou ainda o segundo colocado poderá ser diplomado e empossado prefeito.

Num cenário de nova eleição, a futura Presidência da Câmara terá papel estratégico na escolha das candidaturas e na composição de novas alianças. Quem ocupá-la, como prefeito tampão (interino) terá (por prazo  não definido) que apresentar o jeito de seu grupo governar, além da caneta para fazer obras, serviços e nomeações que em campanha se transformam em cabos eleitorais.

No caso da Justiça validar o registro e consequentemente validar os votos e Kiko ser diplomado prefeito em 1º de janeiro, a eleição para a Presidência diminui em importância, mas também servirá como termômetro para a sempre tradicional reconfiguração do quadro político a cada troca de governo. Muita gente que estava num lado, no dia seguinte estará no outro. Alguns indicando ou até no secretariado, possivelmente.

A eleição para vereador-presidente acontecerá no dia da posse, 1º de janeiro de 2017.

Deixe uma resposta