Ribeirão Pires: Oposição obstrui pauta e impõe derrota ao governo.

_DSC8419

Após meses de embate, questionamentos, audiência pública e adiamento de votações, os vereadores de oposição comemoram a impossibilidade de doação da antiga Fábrica de Sal para iniciativa privada por parte do governo municipal.

Um dos principais projetos do governo Saulo Benevides – doação da área que compreende a antiga Fábrica de Sal, escola infantil e biblioteca pública – deverá ser arquivado por força de lei uma vez que o artigo 73 da Lei 9.504/97 proíbe concessão de bens públicos seis meses antes de eleições.

Junto com a concessão do espaço da Fábrica de Sal que encontrava-se obstruída por processo de Tombamento em curso pelo CONDEPHAAT, também deverão ser arquivadas outros dois projetos de iniciativa do executivo: doação de área para construção de Crematório para humanos e também o que concede espaço público para a Associação Brasileira de Apoio ao Índio e ao Meio Ambiente (ABRAIMA) para a construção da antiga aldeia indígena Piquery.

Compõe o grupo de oposição, os vereadores: Renato Foresto (PT), Eduardo Nogueira (SD), Diva do Posto (PR), Professor Flávio Gomes (PPS), Gabriel Roncon (PTB), Berê do Posto (PMN) e Rubão Fernandes (PSD).

Não é de hoje que percebe-se o enfraquecimento galopante por falta de combustível no rolo compressor do governo. Saulo que já teve esmagadora maioria no parlamento não soube conduzir o processo político por erros primários. Nos bastidores, é sabido que há grande descontentamento entre os vereadores que questionados por suas bases ante a inércia do executivo, passam a tensionar a corda por mais coerência e respeito. O momento é dos mais delicados! Caso não haja um olhar diferente, certamente este governo tende a cair sem corda no buraco em que deixou crescer por deixar de te-lo pavimentado. Luís Carlos Nunes

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply