Ribeirão Pires: Prefeitura remove Cavalo de Ferro e o leva para o Pilar Velho.

Uma operação da prefeitura de Ribeirão Pires na manhã desta sexta-feira está causando intensos debates na cidade. A administração municipal removeu o famoso Cavalo de Ferro, exposto na Praça Manuel Velilla Suarez (próximo a ponte da Vila Suely) a pouco mais de 6 anos e o fixou no Bairro Pilar.

A obra foi encomendada ao artista plástico Rodrigo Bittencourt, pesa aproximadamente 6 toneladas, fazia parte do acervo do projeto Museu à Céu Aberto de Ribeirão Pires e tinha como objetivo a memória de tropeiros que no início do século XIX reuniam para assegurar mudança de tropas e continuar suas viagens ao planalto paulista com cargas de tropas e outros itens indispensáveis à época.

O artista plástico Rodrigo Bittencourt posando para foto sob o Cavalo de Ferro

O cavalo de Ferro era um grande ponto de referência para aqueles que chegavam ou passavam pela cidade.

Segundo o prefeito em exercício, Gabriel Roncon presente a remoção do “ginete”, “o Cavalo não consta do acervo municipal e a mudança de local atende a pedido do Clube de Cavaleiros de Ribeirão Pires que anualmente realizam uma festa na localidade e tem a autorização do Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Ribeirão Pires. Entendo que uma obra de arte não serve para ser apenas um ponto de referência. Ela deve ser observada e analisada não apenas uma referência”. Em um vídeo postagem nas redes sociais Roncon disse, “Essa obra de arte não combinava com a entrada da cidade, não ornava!”

Recentemente, conforme publicação oficial do Paço, o referido Conselho tinha a sua “1ª reunião do ano marcada para 20 de janeiro de 2018, por falta de quórum, e convoca a todos os membros titulares e suplentes nomeados pelo Decreto Municipal n.º 6.768, de 05 de outubro de 2017, para a 1ª Reunião Ordinária, a ser realizada no dia 29 de janeiro de 2018, às 16h00, em sua sede, localizada no Centro de Exposições e História Ricardo Nardelli, 2ª andar, sala I da Torre do Relógio, à Rua Miguel Prisco, 286, Centro, neste Município”.

Nota Oficial da Prefeitura

A obra “Cavalo” foi feita pelo artista plástico Lúcio Bittencourt, em homenagem ao Clube dos Cavaleiros de Ribeirão Pires, grupo responsável pela realização das cavalgadas, principalmente durante os eventos religiosos que acontecessem na Estância, como a tradicional Festa de Nossa Senhora do Pilar. Por isso, estamos deslocando esta importante obra de arte contemporânea para a Igreja do Pilar. A obra faz parte do acervo do Museu Aberto de Arte Contemporânea do município, sob o Patrimônio n° 43699, e promove a integração entre o patrimônio cultural material, por meio do contato com a arte e estética, e o patrimônio natural e paisagístico do município. Quem visita a Igreja do Pilar (importante ponto turístico de Ribeirão Pires) poderá, a partir de hoje, contemplar esta obra de perto. Administramos a cidade com carinho e muito respeito pela história, sempre buscando crescimento e fortalecimento do nosso potencial turístico.

Reações brotaram!

O ex-prefeito Clóvis Volpi demonstrou a sua desaprovação onde em texto fala do simbolismo da obra. Leia abaixo

“O CAVALO E A BANDEIRA

Que ironia!!!!!

Enquanto se tem a preocupação em remover o cavalo de ferro, escultura que fora fixada a entrada da cidade para relembrar que no início do século 19 era por ali que os cavaleiros se reuniam para assegurar mudança de tropas e continuar suas viagens ao planalto paulista, a bandeira brasileira no morro Sto. Antônio tremula esfarrapada como se não houvesse nenhum código de conduta de como se deve apresentar a bandeira brasileira. O Cavalo onde estava, servia ainda, para direcionar caminhos a seguir. Era um ponto de referência na cidade. A Bandeira, coitada, toda esfarrapada pede socorro. Quantas incoerências e ações desnecessárias. O que nos parece e que as esculturas serão o teleférico da administração Kiko/Gabriel.”

O ex-prefeito da cidade, Edinaldo de Menezes também se posicionou

“Juro que tentei não me manifestar!! Mas não dá!!!

O que esperar de uma Administração (Kiko/Gabriel Roncon) que na falta de apresentar melhorias para Ribeirão Pires, retiram da entrada da cidade a estátua do Cavalo (na foto sendo transportada). Meus filhos adoravam!!! E ainda usam como argumento o fato da obra de arte não “ornar” com o local. Ao invés de se preocuparem em melhorar a infraestrutura da cidade, se preocupam em mudar de local uma obra de arte que servia como referência para nossa Estância Turística. E agora, qual o próximo passo? Mudar o São José de local?! Falta do que mostrar!!!! Vamos trabalhar gente!!! Ribeirão Pires está andando para trás em passos largos, como galope de um cavalo!!”

Uma moradora do Pilar Velho analisou o benefício da mudança

“Já que o assunto é cavalo kkk Uma coisa nós moradores do Pilar Velho ficamos felizes … Pelo menos a prefeitura cortou o mato da escadaria do pilar por causa desse bendito cavalo. Estava com tanto mato que era impossível subir na missa aos domingos pela escadaria … Independentemente de onde o cavalo estiver, acho que isso não tem muita importância… Um bairro que só é lembrado no fim de abril na época da “festa” do pilar, pelo menos esse ano de 2018 será lembrado duas vezes rs”

Deixe uma resposta