São Paulo: Manifestantes depredam e enfrentam PM

Um grupo de cerca de 300 manifestantes do grupo Black Bloc depredou agências bancárias na avenida Rebouças, onde houve confronto com a Polícia Militar. Os policiais tentaram conter o protesto com bombas de gás e de efeito moral. Até a chegada da PM, os manifestantes, que tinham os rostos cobertos, pichavam lojas e tentava evitar a ação dos fotógrafos no local.

Uma concessionária de carros importados foi atacada com pedras e teve carros depredados. Acusado de promover vandalismo durante ato na avenida Paulista, na última sexta-feira, o grupo iniciou a mobilização do largo da Batata, na zona oeste de São Paulo, por volta das 18h. O plano era se dirigir para a avenida Paulista.
O protesto, convocado pelas redes sociais, faz críticas ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ao desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza no Rio de Janeiro e à militarização da polícia. A mobilização começou por volta das 18h30 e, ao longo percurso, aconteceram casos de violência e vandalismo. Um alambrado de um ponto de ônibus também foi destruído. Foram usadas marretas e pedras nos ataques. Muros e prédios foram pichados por alguns manifestantes.
Durante a manifestação, policiais detiveram alguns manifestantes considerados suspeitos de atos de vandalismo. Várias pessoas foram revistadas e tiveram os objetos avaliados pelos policiais. Em geral, os suspeitos têm os rostos cobertos por máscaras ou camisetas.
O Batalhão de Choque reagiu com bombas de efeito moral aos ataques. A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros acompanham o movimento com homens a pé, em carros e motocicletas. Nas ruas, os pedestres e os motoristas tentam escapar da confusão buscando vias alternativas.
Aviso
Na semana passada, a manifestação prestava apoio à mobilização no Rio de Janeiro contra o governador Sérgio Cabral (PMDB). Na ocasião, os manifestantes de São Paulo também bradavam contra o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Os protestos contra o tucano voltaram a ser ouvidos nesta terça-feira.
Mais cedo, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) e a PM informaram, por meio de nota oficial, que iriam “respeitar o direito à livre manifestação” e que dariam “segurança aos cidadãos pacíficos”. Caso fossem registradas cenas de vandalismo, contudo, a polícia prometia agir com “a energia necessária para evitar atos criminosos”. (Com Agência Brasil)

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.