Arquivos de Tag: Porto Seco

Domingo (10), tem bike-protesto contra Porto Seco em Paranapiacaba

Ciclistas denominados Massa Crítica, organizam para este domingo (10), um ato contra a instalação de um Porto Seco na região de Paranapiacaba. A concentração está marcada para às 09 horas no trecho de Rio Grande da Serra. Clique aqui e acompanhe a página do movimento, no Facebook.

Abaixo a íntegra do manifesto dos ativista do movimento Massa Crítica.

Estamos organizando um evento ciclístico em defesa de Paranapiacaba. A ideia é fazer um bike-protesto no dia 10 de junho, contra o “Porto Seco” que querem construir lá.

Para quem não sabe, uma empresa está com planos de erguer um centro logístico no alto da serra. A estimativa é que devastem uma área do tamanho de 90 campos de futebol, levando centenas de caminhões por dia para aquela região.

Sabemos que muitos ciclistas de toda grande São Paulo costumam pedalar em Paranapiacaba e pensando nisso, estamos mobilizando geral para que participem desta pedalada em defesa de Paranapiacaba e da Mata Atlântica.

A Massa Crítica partirá do trevo de Rio grande da Serra com destino a parte alta da vila.

SOS PARANAPIACABA – PORTO SECO, NÃO!

DIGA NÃO AO CENTRO LOGÍSTICO CAMPO GRANDE!

Santuário da Mata Atlântica, a Vila Histórica de Paranapiacaba, localizada no município de Santo André, na Região Metropolitana de São Paulo, pede SOCORRO!!!

A área afetada faz limites ou influência direta à três Unidades de Conservação públicas, uma delas entre as mais antigas do Brasil: a Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, a outra, o Parque Estadual da Serra do Mar, que pode ser considerada uma “máquina natural paulista de produção de água” e outros serviços ecossitêmicos: sequestro de Carbono, redução de calor, prevenção de enchentes, e outra o Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba. Todas abrigam incríveis espécies de fauna e flora, dentre elas mais de 23 espécies em algum grau de ameaça de extinção.

Essas Unidades de Conservação são Zonas Núcleo da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo e da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, reconhecidas pelo Programa MaB Unesco.

O projeto, para a implantação do Centro Logístico Campo Grande, empreendimento desenvolvido pela Fazenda Campo Grande, já se encontra iniciado (em ritmo acelerado) e precisa ser SUSPENSO IMEDIATAMENTE!

Trata-se de um projeto de negativo impacto social, ambiental, econômico e cultural, impactando áreas de grande potencial turístico e outras formas desenvolvimento sustentável como criação de abelhas nativas, sistemas agroflorestais, observação de aves, pesquisa e educação, etc, pretende ocupar 91 hectares (equivalente a 91 campos de futebol) desmatando áreas de florestas em estágio inicial e médio de sucessão, ocupando várzeas e campos antrópicos, estes últimos apesar de terem sido impactados no passado, ainda prestam serviços à fauna e sociedade e podem ter usos menos impactantes.

Estudos realizados na área, apontam mais de 20 espécies (peixes, serpentes, anfíbios e mamíferos) ameaçadas de extinção, um número ainda maior (48 aves) é composto por espécies altamente sensíveis à alterações e degradações ambientais. O próprio EIA-RIMA aponta que estudos foram feitos nos períodos frios, portanto feitos nas estações primavera e verão apontariam resultados mais ricos.

Não foram considerados no EIA-RIMA os morcegos, as aranhas e opiliões (possivelmente sensíveis às alterações ambientais), as minhocas e os insetos, enquanto a região tem uma espécie de borboleta (Actinote zikani) criticamente em perigo. Todos exercem papéis fundamentais no ecossistema.

O tráfego de potentes e pesados caminhões, que irá afogar e destruir estradas dos municípios ao redor, Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires, aumentará também o número de acidentes com outros veículos (como ocorriam inclusive vítimas fatais anos atrás), poluição atmosférica e congestionamentos. Irá estimular a também a construção de um viaduto, pode aumentar a violência local, já que poderá estimular roubo de cargas em rodovias.

Outro fato é a ocupação irregular que acontecerá no local ou imediações após a implantação deste projeto, pois devido à grande circulação de caminhões, logo aparecerão… Borracharias, bares, casas noturnas, etc, e com isso o aumento do tráfico de drogas e drogadição, prostituição, crimes ambientais, entre outros.

A falsa promessa de geração de emprego, renda e aumento da massa salarial, está dada com o objetivo de dividir a população local, porém sabemos que esses tais empregos não irão beneficiar os moradores da vila de Paranapiacaba, pois a promessa de renda-fixa afasta-os da cultura de desenvolvimento sustentável, são empregos de salários mínimos e com grande flutuação, pois os galpões serão alugados, portanto empresas logísticas podem montar e desmontar galpões conforme as crises ou demandas do mercado, contratando e demitindo os trabalhadores, reduzindo perspectivas de futuro.

A obra gerará impacto à beleza do local, com entornos tombados pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo), Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), são décadas de trabalhos de tombamento e aprimoramento do turismo sustentável, mais de 100 anos de conservação da biodiversidade na Reserva Biológica do Alto da Serra, 40 anos de conservação do Parque Estadual da Serra do Mar ameaçados.

Lembrem-se dos “acidentes” ambientais e sociais que tem ocorrido, no passado eles foram aprovados com o discurso de sustentáveis.

Não vamos deixar a nossa vila morrer!

Ciclistas organizam protesto contra Porto Seco em Paranapiacaba. A concentração será no trevo de Rio Grande da Serra.

Grupos de ciclistas do ABC e da capital paulista estão se articulando para promover um grande protesto contra a construção de um centro logístico (“Porto Seco”) na região de Campo Grande, em Paranapiacaba, no município de Santo André.

A manifestação é mais uma iniciativa do movimento SOS Paranapiacaba em conjunto com a “Bicicletada ABC”, que existe desde 2008.

O evento chamado de “Massa Crítica Extraordinária: SOS Paranapiacaba”, está marcado para acontecer no dia 10 de junho, a partir das 09 horas da manhã, com concentração no trevo de Rio Grande da Serra, de onde partirão rumo a parte alta da vila.

A expectativa dos organizadores do protesto é mobilizar centenas de ciclistas que já frequentam a região da vila andreense e que são contra o “Porto Seco”. Os ciclistas também afirmam que se sentem ameaçados com a possível “invasão” de milhares de caminhões naquele trecho rodoviário.

Segundo uma carta do movimento divulgada: “A rodovia SP 122 é caminho utilizado por mais de 90% dos visitantes. Ali circulam pedestres, atletas, ciclistas, ônibus de linha, veículos particulares de famílias a passeio; mas que, com o Porto Seco, passará a receber veículos pesados, 68 caminhões a cada hora, 24 horas por dia. Dar novos usos inesperados, sem planejamento pela municipalidade, implicará em conflitos e possíveis danos para o tráfego da SP 122, onde caminhões pesados dividirão espaço com pedestres, atletas, ciclistas, famílias em veículos pequenos e ônibus de linha, oferecendo grandes riscos de acidentes fatais. Fato esse já comprovado, quando um empreendimento irregular operou por um período, permitindo que caminhões-cegonha circulassem pela SP 122, o que gerou acidentes com vítimas fatais”.

O primeiro protesto do movimento SOS Paranapiacaba foi realizado do último dia 22 de abril na estação Campo Grande, na entrada da parte baixa da Vila e reuniu centenas de moradores, ambientalistas, pesquisadores, profissionais liberais, estudantes etc. para dar um abraço simbólico na Vila e dizer não a empresa que pretende devastas enorme área na serra do mar para instalar centro logístico na região. Depois do abraço, o movimento SOS Paranapiacaba visitou a área ameaçada de devastação, os campos, córregos, rios, e por fim, terminou o ato lendo a “Carta de Paranapiacaba” em frente ao mercado da vila.

A Massa Crítica: Um carro a menos

Segundo a Wikipedia “a Massa Crítica (do inglês Critical Mass) ou Bicicletada é um evento que ocorre tradicionalmente na última sexta-feira do mês em muitas cidades pelo mundo, onde ciclistas, skatistas, patinadores e outras pessoas com veículos movidos à propulsão humana, ocupam seu espaço nas ruas. Os principais objetivos são divulgar a bicicleta como um meio de transporte, criar condições favoráveis para o uso deste veículo e tornar mais ecológicos e sustentáveis os sistemas de transporte de pessoas, principalmente no meio urbano.

Não existem líderes ou estatutos, o que leva a variações de postura e comportamento de acordo com os participantes de cada localidade ou evento. As Massas Críticas são passeios auto-organizados e independentes – geralmente apenas o local de encontro, o dia e o horário são definidos. Em algumas cidades, o trajeto, o ponto de chegada e as atividades ao longo do percurso são decididos somente quando o evento já está ocorrendo. Claramente existe um caráter de protesto nesses eventos: os participantes demonstram, se reunindo em público, as vantagens de usar a bicicleta como meio de transporte nas cidades e também alertam para as mudanças necessárias no espaço urbano para melhor acomodar os ciclistas.

Muitas Massas Críticas têm se tornado cada vez mais criativas, como a Massa Crítica da cidade de São Paulo: já há alguns anos, é visível e crescente a tendência de utilizar bom humor e ações mais duradouras para conquistar os motoristas em vez de confrontá-los, mostrando que a bicicleta é um meio de transporte viável, rápido, saudável e prazeroso, além de passar a mensagem de que os ciclistas têm direito a seu espaço nas ruas. Essa nova postura tem mais receptividade com os motorizados e se torna mais interessante à mídia não especializada, resultando em uma exposição maior do movimento e principalmente da ideia da bicicleta como meio de transporte. Em setembro de 2006, a Bicicletada paulistana promoveu, junto com outros movimentos e entidades, várias atividades relacionadas ao Dia Mundial Sem Carros, como o Desafio Intermodal e a Vaga Viva. As iniciativas se repetiram no ano seguinte e continuaram acontecendo nos anos subsequentes.

O maior mote da Massa Crítica é “um carro a menos”, usado principalmente para tentar obter um maior respeito dos veículos motorizados que trafegam nas ruas saturadas das grandes cidades.”