Arquivos de Tag: PSB

Ribeirão Pires: João Mancuso e Kiko querem punir vereador que age com independência.

O presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB) de Ribeirão Pires, João Mancuso disse a um jornal regional que pretende expulsar o vereador Danilo da Casa da Sopa sob ao pretexto de insubordinação partidária. A informação cai como uma bomba na cidade, onde segundo a notícia “Entre as hipóteses cogitadas estão um processo para expulsão do parlamentar e, futuramente, ação para pedir a cadeira de Danilo Afonso junto à Justiça Eleitoral”.

Conforme noticiou o blog Caso de Política, presente à primeira sessão da Câmara Municipal em 2018 (clique aqui), após o executivo protocolar no dia 31 de janeiro, ao final da tarde, na secretaria Geral da Casa de Leis – ainda durante período de recesso parlamentar – “seis” projetos de Lei em “Regime de Urgência”.

Os projetos encaminhados em Regime de Urgência em questão são:

Projeto de Lei nº 01/2018 – Que autoriza o Poder Executivo a efetuar repasse de subvenções Municipal, Estadual e Federal ao terceiro setor, no exercício de 2.018 por meio aditivo de colaboração – valor total – R$ 2.613.549,00.

Projeto de Lei nº 003/2018 – Aprova o Plano de Preservação do Patrimônio Cultural e Natural, nos termos da Lei Municipal nº 5.907 de 23 de outubro de 2014 que revisa o Plano Diretor da Estância Turística de Ribeirão Pires.

Projeto de Lei nº 004/2018 – Que autoriza o Poder Executivo a celebrar Termo de Colaboração com a Associação do Microempreendedor Individual de ribeirão Pires (AMEIRP), para realização do processo de seleção e administração dos concessionários dos boxes do Terminal Rodoviário do Município.

Projeto de Lei nº 005/2018 – Que dispõe sobre a concessão de direito real de uso de área para a Associação Viva Bem a Idade que Tem (ASVBIT).

Projeto de Lei nº 006/2018 – Que altera a Lei nº 5.307 de 02 de agosto de 2009 que dispõe sobre o controle da emissão de ruídos e sons urbanos.

Projeto de Lei nº 007/2018 – Que autoriza o Poder Executivo a alienar bens móveis inservíveis e sucatas (veículos automotores inservíveis e sucatas).

Segundo esclareceu um jurista consultado pelo blog Caso de Política “o Regime de urgência via de regra, é utilizado para apressar a tramitação e a votação das matérias legislativas. A urgência dispensa interstícios, prazos e formalidades regimentais, e pode ser requerida nos seguintes casos: quando se trata de matéria que envolva perigo para a segurança nacional ou providência para atender calamidade pública; para apreciar a matéria na segunda sessão deliberativa ordinária subsequente à aprovação do requerimento; e para incluir matéria pendente de parecer na ordem do dia. A urgência pode ser solicitada pelos vereadores, por comissões técnicas e pelo prefeito municipal.

O repasse para as entidades assistenciais de Ribeirão Pires no ano de 2017 aconteceu no mês de abril, conforme noticiou este veículo de comunicação. Ver matéria clicando aqui.

Vereadores se queixam de truculência, má educação e falta de trato político. O secretário João Mancuso e atual presidente do PSB em Ribeirão Pires, pretende denunciar o parlamentar ao Conselho de ética do partido

Denunciado por protagonizar assédio e abuso sexual no interior de repartição pública (clique aqui, aqui, aqui e aqui), João Mancuso nesse curto espaço de tempo (13 meses) na administração do governo de Kiko Teixeira (PSB), foi denunciado na Câmara de vereadores por ter pago por placas publicitárias com dimensões inferiores as previstas em licitação aprovada o que pode ter causado os cofres públicos prejuízo de aproximadamente 87% sobre os valores contratados.

“O senhor não questionou a diferença, não enviou e-mail para empresa? O senhor falou tem uma diferença aí, qualquer coisa o senhor manda uma gordurinha. O que seria essa gordurinha?”

Acesse a reportagem clicando aqui

Mancuso ainda é protagonista pela falta de comunicação aos aposentados que sumariamente tiveram os seus IPTU’s impressos sem os devidos descontos legais. O assunto tomou grandes proporções e grande flagelo aos idosos foi imposto. A prefeitura diante pressões, se viu obrigada e rever data para atender a todos os prejudicados.

Acusado por diversos vereadores como arrogantes e mal-educado, na salinha de reuniões localizada atrás do plenário da Casa de Leis, Mancuso bradava “vocês têm que fazer o que o prefeito pede”.

ao fundo de camisa azul clara, secretário João Mancuso pressionando vereadores

Ainda que o presidente do PSB em Ribeirão Pires – a pedido do prefeito – expulse Danilo Afonso do partido, isso não é garantia para que Danilo Afonso – popular Danilo da Casa de Sopa – perca o seu mandato eletivo. Nos bastidores já a grande mobilização inclusive com outras siglas sinalizando acolhida ao parlamentar.

Sessão extraordinária foi convoca para a próxima segunda-feira (05) as 10:00 horas da manhã onde os projetos 01/2018 e 05/2018 serão apreciado, podendo os mesmos serem votados somente na sessão ordinária de quinta-feira (08).

Geraldo Alckmin reboca Márcio França para PSDB

Agora é para valer: o governador Geraldo Alckmin bateu o martelo (ou deu o murro na mesa?) para dar um fim no empurra-empurra no ninho tucano estadual paulista: o vice-governador Márcio França vai assinar ficha no PSDB e assim qualificar-se para concorrer à sua reeleição ao governo do Estado. Dória está certo: o partido que domina a Paulicéia desde 2002 terá candidato próprio à sucessão do quarto mandato do atual governador.

A decisão de Alckmin não é regional, mas nacional. Ele deu o xeque ao rei de França na condição de presidente do PSDB, e não como governador do Estado e muito menos como candidato. É uma decisão estratégica.

Alckmin comanda um grande partido. Embora o PSDB padece dos mesmos problemas das demais agremiações, é dos que está melhor estruturado para a competição. Ou seja: se não está melhor, também pior não fica na foto do momento- como dizem os marqueteiros sobre pesquisas quantitativas.

O grande problema dos partidos neste momento não é estas pesquisas das intenções de voto, mas sim de como estender no terreno as suas forças para a grande batalha de outubro. Como nas guerras do século XIX, no tempo da luta corpo a corpo, vence quem melhor aproveitar o terreno. Será o caso desta eleição sem dinheiro, que atenderá à máxima eleitoral que vale desde um pleito municipal até a presidência: sola, suor e santinho (papelucho com foto e dados do candidato, muito comuns no passado). Estas serão as armas neste campo de batalha.

Neste sentido, Alckmin está agindo com mão de ferro: a prioridade é vencer eleições onde for possível. De nada vale gastar pólvora em objetivos inalcançáveis. Nos estados que o partido tiver boas posições, haverá apoio nacional. Nos demais, apenas a marmita para não deixar morrer de fome.

Voltando a São Paulo, Alckmin vai cobrar a conta do prefeito João Dória, que lhe deve reconhecimento e disciplina partidária. Alckmin lembrará ao burgomestre que ele não é tão “dória” quanto pensa que é: sua eleição deveu-se a uma bolha de anti-política que não se repetirá em 2018. A força virá principalmente da mesma máquina partidária que produziu uma alternância de poder clássica em São Paulo.

Dória não é um disco voador. O PSDB sempre teve prefeitos ou candidatos fortes. Ele venceu surfando um momento de marketing, que aproveitou muito bem.

Nos próximos anos deverá provar que é um político de alto nível, com habilidade para compor as forças políticas em sua cidade, capacitando-se para a eleição estadual de 2022. França, como governador reeleito estará fora da disputa seguinte, mas sua máquina vai apoiar o candidato tucano no pleito subsequente.

A adesão de França ao PSDB não significaria um rompimento com o PSB. Pelo contrário, esse partido poderia compor a aliança, contribuindo com sua posição no Nordeste e sua parcela do fundão eleitoral. Este é o problema dos dirigentes partidários: como e para que prioridades distribuir os recursos escassos do financiamento público. Não obstante se ouve na mídia uma gritaria sobre o tamanho exagerado do fundo, a verdade é que corresponde a uma pequena fração do que se gastava em eleições no passado, no tempo das contribuições empresariais. Alckmin sabe que aí está a chave do sucesso.

A verdade é que a eleição terá de ser feita com esse fundo. As empresas têm medo de abrir o caixa dois e os políticos também estão ressabiados do látego da Justiça Eleitoral. A tendência é todo mundo, pelo menos nas disputas majoritárias, ficar dentro do figurino.

Por outro lado, França é admitido no PSDB como um parceiro leal ao governo do partido, liderado por Geraldo Alckmin. Muitos peessebistas dizem que o vice-governador paulista vinha há tempos deixando crescer o bico, tanto que hoje mais parece um tucano do que uma pomba socialista.

Assim sendo, parece que toma forma a máquina “alckmista” para enfrentar o PT e demais forças que estarão no embate. A verdade é que a eleição será disputada por candidatos de grande tradição e experiência política, como Lula, Alckmin, Marina, Ciro e, como não, também Bolsonaro com seus sete mandatos consecutivos de deputado federal.

Doria é recebido como “presidente” em Tocantins. Prefeito de Ribeirão Pires está na comitiva.

O prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), negou nesta segunda-feira, 14, ter o objetivo de fazer pré-campanha para a eleição presidencial de 2018, ao viajar pelo País. O prefeito tucano foi recebido em Palmas pelo prefeito Carlos Amastha (PSB), e por militantes do PSDB que exibiam faixas e camisetas com a inscrição: “Doria presidente”.

Doria exercitou a mordacidade ao dizer desconhecer quem preparou o material publicitário. Segundo o senador Ataídes Oliveira (PSDB), o prefeito não teria ligação com a campanha antecipada.

Oficialmente, o tucano veio à capital tocantinense para uma pauta institucional com empresários, na condição de um dos vice-presidentes da Frente Nacional de prefeitos. “Não se trata de fazer pré-campanha, mas de compartilhar métodos de gestão. (…) De toda forma ajuda sim, a conhecer a realidade do interior do País”, disse ele ao estadão.

Doria tenta repetir a estratégia de seu guru Donald Trump, que tomou de assalto o Partido Republicano e se tornou presidente dos Estados Unidos, deixando para trás nomes tradicionais da máquina partidária. Resta saber como Alckmin agirá para enquadrar sua cria.

Na comitiva de Doria, está o prefeito de Ribeirão Pires, Kiko Teixeira (PSB), que em plena segunda-feira, faltou ao trabalho.

Aldo Rebelo deixa o PCdoB, vai para o PSB e pode ser vice de Maia caso se confirme a queda de Temer.

Após lançar um manifesto pregando o entendimento nacional para viabilizar a governabilidade do País, o ex-deputado federal e ex-ministro Aldo Rebelo, que era filiado ao PCdoB desde que os antigos proscritos puderam ser legalizados, deixou o partido e filiou-se ao PSB, em articulação comandada pelo vice-governador paulista, Márcio França. Registre-se que durante alguns anos Rebelo e outros membros ou simpatizantes do PCdoB estiveram abrigados no PMDB.

Amigo do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, cotado para ser escolhido em eleição indireta para substituir Michel Temer no comando do País, Rebelo pode vir a ser o vice-presidente, por transitar tanto nos partidos de esquerda quando nos de direita.

A saída dele isola o PCdoB na extrema esquerda, ao mesmo tempo em que o partido já perdeu muito de suas bandeiras ao eleger parlamentares que nada têm a ver com sua história.

Como é cada vez mais provável que Temer não consiga manter-se na Presidência e considerando que Rodrigo Maia é o nome quase de consenso para sucedê-lo, Rebelo pode estar muito próximo de vir a ser vice-presidente.

No âmbito da sucessão paulista, Márcio França pode preferir não assumir o governo no quase certo período de desincompatibilização de Geraldo Alckmin. O presidente da Assembleia Legislativa, Cauê Macris (PSDB), iria para o Bandeirantes e França concorreria para governador; Alckmin quer tentar a Presidência da República, se possível pelo PSDB, mas não necessariamente. Se o caminho para essa pretensão estiver muito congestionado, buscar uma vaga no Senado pode soar como alternativa interessante para o governador. Para os planos de Márcio França, ter Aldo Rebelo no Planalto seria uma mão na roda.

O poder é uma briga de foice no escuro. Desta vez, porém, Aldo Rebelo prega a paz no Planalto, com a pombinha branca do PSB. A foice e o martelo que ele empunhou por 40 anos vão para o depósito de recicláveis. Nessa altura do campeonato, quando um histórico comunista alia-se a um membro do satanizado DEM para exercer uma fatia do poder, inevitável lembrar de Cazuza, que cantou “Ideologia, eu quero uma pra viver! Luís Carlos Nunes

Abaixo, a íntegra do manifesto

MANIFESTO PELA UNIÃO NACIONAL

“Não precisa o Brasil ser dividido, é melhor união progresso e paz”
(Geraldo Amancio, poeta e repentista)

O Brasil vive grave e profunda crise, que ameaça seu futuro de Nação livre, próspera e soberana. O esforço de nossos antepassados, sem temer sacrifícios nem renúncias para construir a País é posto à prova pela atual desorientação sobre que rumos seguir para ampliar a independência e a autonomia nacionais, elevar o bem-estar material e espiritual da população e proteger o convívio democrático entre os brasileiros. As rupturas operadas na ordem institucional geraram um quadro de aguda polarização, agravado pela recessão econômica, pelos altos níveis de desemprego e subemprego, e pela violência em suas variadas formas. A sociedade brasileira encontra-se dividida, desorientada e desalentada, com sua agenda pautada por atores e interesses minoritários, e mesmo antinacionais, ambiente ideal para a proliferação de várias formas de morbidez social, entre elas a corrupção.

Somente a união de amplas forças políticas, econômicas e sociais, em torno de uma proposta de reconstrução e afirmação nacional, pode abrir caminho para a superação da crise atual. Tal proposta não pode ser apenas uma plataforma de metas econômicas e sociais, mas deve buscar sua inspiração no estado de espírito capaz de mobilizar amplamente os diversos atores da sociedade, com o objetivo comum de ver o País progredir de forma que os benefícios do desenvolvimento sejam percebidos por todos eles, levando-os a se sentirem como seus protagonistas ativos. Este projeto exige como pressuposto que a defesa e o desenvolvimento do Brasil sejam o fundamento para assegurar a efetiva expansão dos direitos sociais e da democracia.

A elaboração e implantação do projeto de construção e afirmação nacional não poderão limitar-se à classe política, mas terão que ser compartilhadas pelos mais diversos segmentos representativos da sociedade. Isto exige o afastamento de toda sorte de preconceitos motivados por ideologias e maniqueísmos, que se mostram insuficientes e limitados para permitir o entendimento da situação. Acima de tudo, é necessário abandonar a enganosa dicotomia entre Estado e Mercado, que tem servido apenas para mascarar a captura das estruturas do primeiro por coalizões de interesses particulares, substituindo-a por uma eficiente cooperação entre o poder público e a iniciativa privada, em prol do bem comum, como ocorreu e ocorre em todos os países que conseguiram enfrentar e remover os desafios no caminho do desenvolvimento duradouro e sustentável.

As gerações que nos antecederam ergueram material e espiritualmente o Brasil, em quatro grandes movimentos, a saber:

1) a formação da base física, a conformação do território, do ano zero de 1500 e da originária Terra de Santa Cruz, ao Tratado de Madrid, em 1750, que configurou de forma aproximada as atuais fronteiras nacionais e iniciou o processo de mestiçagem que caracterizou a formação social brasileira.

2) a epopeia da Independência, consolidada em 1822, representada nas figuras luminares de Tiradentes e José Bonifácio, Patriarca idealizador de um projeto de Nação que ainda guarda grande atualidade.

3) a fase da defesa e manutenção da unidade territorial, com D.Pedro I e D.Pedro II e que se encerra com a libertação dos escravos em 1888;

4) a República proclamada por Deodoro da Fonseca e consolidada por Floriano Peixoto, que tem o apogeu em Getúlio Vargas e seu ambicioso programa de industrialização e modernização do Estado, pondo em prática aspirações anteriores dos movimentos Sanitarista, Tenentista e da Nova Educação. A partir de Vargas o Brasil oscilou ao sabor das correntes varguista e anti-varguista, até os nossos dias.

Hoje, nos marcos da economia globalizada e com o País em condições mais favoráveis que no passado, temos a missão de iniciar um novo projeto nacional, o quinto movimento, em três direções e três objetivos:

1) ampliar a soberania nacional com o pleno desenvolvimento econômico, científico, tecnológico e dos meios de defesa do País;

2) elevar a qualidade de vida do povo brasileiro com a redução das desigualdades sociais; proteção da infância e da maternidade, acesso à educação de qualidade, saúde e saneamento básico; combate sem tréguas ao crime organizado e valorização da segurança pública contra o banditismo em todas as suas formas;

3) fortalecer a democracia e a tolerância na convivência entre os brasileiros, com realização de uma reforma política que liberte nosso sistema político do controle de interesses corporativos e oligárquicos e assegure o predomínio dos grandes debates dos temas nacionais na esfera pública.

A crise nacional acontece em meio a um quadro global de mudança de época, marcado por:

a) agravamento das consequências socioeconômicas negativas da globalização dirigida pelas finanças especulativas internacionais;

b) alteração do eixo geoeconômico mundial para a Eurásia-Pacífico;

c) emergência de um cenário de poder multipolar, em contraposição à unipolaridade do período posterior ao fim da Guerra Fria;

d) novas revoluções científicas e tecnológicas e rápida introdução de tecnologias inovadoras (Quarta Revolução Industrial), com profundos impactos sobre as formas de produção de bens e serviços, níveis de emprego, relações de trabalho, qualificação da força de trabalho e as próprias relações sociais em geral.

Todos esses aspectos terão influência determinante para o necessário projeto nacional brasileiro, que, por sua vez, é condição decisiva para exercer influência sobre a dinâmica global. Por isso o projeto nacional brasileiro precisa contemplar a relevância continental do País, que ocupa metade da América do Sul, representa cerca de 50% da economia da região, faz fronteira com dez outros países e representa a força motriz potencial para a integração física e econômica do subcontinente. O Brasil deve assumir definitivamente o papel de liderança benigna e não hegemônica do bloco sul-americano, dando-lhe “massa crítica” para participar de forma eficaz e positiva na reconstrução da ordem mundial que está em marcha.

É fundamental que o sistema financeiro reoriente seus esforços para estimular e apoiar as atividades produtivas. Os títulos da dívida pública não podem continuar sendo o investimento mais rentável do País, como ocorreu no período de 2001-2016, muito acima de qualquer atividade produtiva. A aspiração ao desenvolvimento não pode ser bloqueada pelos interesses rentistas locais ou estrangeiros.

A reversão da desindustrialização que afeta o País é crucial. O Brasil tem regredido dramaticamente em capacidade industrial, principalmente no segmento de alta tecnologia, impactando as camadas médias da sociedade, com a perda de empregos qualificados e de melhor remuneração. A despeito da rapidez do processo, ainda temos uma das dez maiores e mais diversificadas bases industriais do mundo. Além de recuperar a capacidade produtiva, é determinante requalificar todo o setor industrial para enfrentar o desafio da Quarta Revolução Industrial, baseada em elevados índices de automação e conectividade, e intenso fluxo de inovações tecnológicas de ponta.

A retomada do desenvolvimento brasileiro exige a estruturação de cadeias produtivas de maior valor agregado baseadas em conhecimento nacional. Isto, por sua vez, requer a ampliação dos investimentos públicos e privados em todas as dimensões da educação e geração do conhecimento e de sua aplicação inovadora na economia nacional, incluindo o apoio efetivo e criterioso à capacitação e elevação da produtividade das empresas nacionais. O Estado Nacional deverá passar também por uma profunda reforma que incorpore e internalize no seu sistema de controles o princípio da incerteza que rege a descoberta científica e a dinâmica da inovação, de forma a não travar a atividade de pesquisa ou inibir a criatividade do empreendedor.

Aos alarmantes índices de deficiências educacionais da população matriculada na rede de ensino, soma-se a crescente degradação do ambiente escolar, com o aumento da violência e o abandono das noções de disciplina e hierarquia, sem as quais o esforço de aprendizagem está fadado ao fracasso. A realidade tem demonstrado que além da destinação de recursos é urgente a retomada da questão educacional como prioridade central do Estado, que deve protegê-la dos vícios do corporativismo, enaltecer o papel do professor e restaurar sua autoridade dentro da sala de aula e na sociedade.

A agricultura, a pecuária e a agroindústria constituem ativos econômicos, sociais, culturais e geopolíticos de grande importância para o Brasil. Mesmo enfrentando a forte e subsidiada concorrência dos criadores e agricultores europeus e norte-americanos, nossos, pequenos, médios e grandes produtores abastecem o mercado interno e ganham cada vez mais espaço no comércio mundial de alimentos. O status de grande produtor de grãos e proteína gera para o Brasil, além de divisas, respeito crescente num mundo cada vez mais carente de segurança alimentar. O Brasil deve valorizar social e culturalmente seus trabalhadores, criadores e produtores rurais, protegê-los com financiamento, crédito e seguro; destinar recursos para ciência, tecnologia e inovação para melhorar a produtividade de todas as atividades a eles relacionadas.

As Forças Armadas são instituições fundadoras da nacionalidade e do Estado Nacional e cumprem a dupla missão de defender e construir o País. Do programa nuclear ao nosso primeiro computador, da pesquisa espacial, indústria aeronáutica e defesa cibernética, as instituições armadas têm cumprido papel de vanguarda e pioneirismo. Cumprem missão humanitária socorrendo os índios e ribeirinhos da Amazônia ou as vítimas da seca no sertão nordestino sem perder o etos de organização de combate e de defesa da Pátria.

Portanto, é preciso valorizar e reconhecer as Forças Armadas brasileiras, seus feitos e seus heróis, seus valores, patriotismo e elevado espírito de generosidade e solidariedade para com a comunidade. Tal atitude deve ter sentido educativo para as crianças e para a juventude exposta ao ambiente de corrosão dos valores da nacionalidade com que convivemos no dia a dia.

A política ambiental deve refletir um real compromisso com o desenvolvimento sustentável do País, em vez de simplesmente se enquadrar em agendas formuladas por atores e interesses externos. Entre outras prioridades, deverá enfocar as deficiências em saneamento básico, disposição de lixo, ocupação irregular de áreas de risco, e a ampliação da infraestrutura de previsão e resposta a emergências causadas por fenômenos naturais.

Da mesma forma, é preciso uma urgente redefinição da política para as populações indígenas, compatibilizando-a com o direito de toda a população a uma evolução civilizatória digna, respeitando-se as suas tradições culturais e sua contribuição decisiva para a constituição da identidade nacional. Somente assim será possível assegurar-lhes uma integração gradativa à sociedade nacional, como cidadãos plenos e aptos a dispensar, eventualmente, a tutela permanente do Estado.

Alvo de pressões e cobiça internacional, a Amazônia clama por ações efetivas de controle e afirmação da soberania sobre seu imenso território, e por políticas públicos de estímulo e apoio ao seu desenvolvimento e de proteção de suas populações indígenas e ribeirinhas e da biodiversidade.

Nossa produção artística e cultural, em sintonia com os grandes movimentos da Nação, inventou o Brasil ao longo da sua história. É importante defender e promover o rico e variado patrimônio cultural da Nação brasileira, sua língua, suas tradições e múltiplas manifestações, sua criatividade e seu potencial de desenvolvimento econômico, enfrentando as práticas concentradoras e restritivas dos grandes conglomerados internacionais da mídia e da internet.

O Brasil deve promover e exaltar a participação da mulher na construção do País e reconhecer em nossas antepassadas indígenas, africanas e europeias relevante papel na constituição da Nação e na formação da identidade do povo brasileiro.

A luta sem trégua contra o preconceito racial no Brasil se impõe pela valorização da herança e contribuição africana na formação da cultura e da identidade nacional brasileira e pela celebração da mestiçagem como traço decisivo de nosso legado civilizatório. Devemos repudiar qualquer tentativa de se introduzir no Brasil modelos importados de sociedades que institucionalizaram o racismo em suas relações sociais.

O combate à corrupção deve ser um objetivo permanente da sociedade e do Estado, mas não se pode paralisar o País a pretexto de se eliminar um mal que é endêmico nas economias de todo o mundo.

O Brasil precisa voltar a crescer. Esta é a questão central. Não há como sanear as finanças públicas sem que a economia cresça e a arrecadação tributária aumente. Não há como se negar que o Brasil precisa de reformas que corrijam distorções, eliminem privilégios corporativos, facilitem a empregabilidade e o funcionamento da economia. Mas não haverá equilíbrio da Previdência se não houver emprego e arrecadação. Não haverá reforma que convença o empreendedor privado a investir se não houver perspectiva de demanda. E para o Brasil voltar a crescer, o primeiro consenso a ser alcançado é que todos se convençam disso. Nenhum homem ou mulher de boa vontade irá se opor a algum sacrifício se isso significar esperança para si e futuro para seus filhos. Mas todos precisam abrir mão de alguma coisa. São inaceitáveis reformas que descarreguem o peso do ajuste sobre os ombros dos mais fracos e protejam os interesses de grupos elitistas que concentram o patrimônio nacional.

O Brasil é um País rico, principalmente em recursos humanos. Se todos puderem compartilhar do desenvolvimento dessa riqueza ele será mais próspero e feliz. Ninguém é contra que os mais capazes e talentosos se enriqueçam. Ninguém é contra que quem empreenda tenha a justa recompensa pelo seu esforço. Mas o Brasil não precisa, não deve e não pode ser tão desigual. Esse é o grande acordo que precisa se estabelecer na sociedade brasileira. É em torno desse ideal transcendente de grandeza nacional e de justiça que devem se unir os brasileiros de todas as classes, profissões, origens, condições sociais e credos.

UJS de Ribeirão organiza debate com candidatos a prefeito.

debate

Acontece nesta sexta-feira (09), um debate com os candidatos a prefeito de Ribeirão Pires organizado pela União da Juventude Socialista (UJS).

O evento será o primeiro debate com os candidatos do município. Segundo os organizadores, “o debate quer propiciar o crescimento e respeito à democracia dando oportunidade para todos os postulantes da cidade exporem suas propostas e ideias”.

Foi ainda informado que “foram convidados todos os participantes da eleição majoritária, sendo eles: Kiko Teixeira (PSB), Renato Foresto (PT), Luiz Carlos Grecco (PRB), Leo Moura (PMB), Saulo Benevides (PMDB), Carlos Sacomani (PSL), Dedé da Folha (PPS), Rosana Figueiredo (REDE) e José Cantídio de Lima (PSTU)”.

O evento acontecerá no auditório do Ribeirão Pires Futebol Clube e terá como mediado, o jornalista Rafael Ventura. Convite foi estendido a toda a mídia local e será transmitido ao vivo no grupo Pensar Ribeirão Pires, no Facebook.

O debate será aberto ao público que adquiriram antecipadamente convites. Perguntas e questionamentos serão recepcionados até momentos antes do debate.

Para maiores informações: (11) 97382-1493 – Thyene de Lima ou (11) 97741-0117 – Mateus Paulino ou pela página de relacionamentos da UJS Ribeirão Pires no Facebook.

Leia a versão digital do Repórter ABC | 7ª edição.

Clique na imagem abaixo e leia a versão digital do Jornal Repórter ABC.

RABC7-600

PP pula fora de Kiko e adere à pré-candidatura de Dedé da Folha.

_DSC0645

O diretório estadual do Partido Progressista (PP), presidido pelo deputado Guilherme Mussi, decidiu abandonar a campanha de Kiko Teixeira, candidato do PSB ao Paço de Ribeirão Pires, para apoiar a candidatura de Edinaldo de Menezes, popular Dedé da Folha (PPS).

Com o recuo do PP – um dia antes da decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que colocou Dedé da Folha no páreo -, Kiko sofre baixa em sua base eleitoral.

Segundo a informação oficial, desde 19 de julho, assumiu a presidência municipal da agremiação, Paulo André de Paula.

Em Ribeirão Pires, é notório que desde o anúncio do nome de Dedé da Folha como pré-candidato a prefeito, uma nova conjuntura política foi formatada, uma vez que seus aliados encontravam-se órfãos e desde então regressam a suas trincheiras de origem.

Abaixo o documento

PP apoia Dedé da Folha - Ribeirão Pires

Não é novidade nem estranho, que postulantes a cargos públicos nessas eleições busquem apoios para uma largada vantajosa para as candidaturas que serão consolidados nas convenções partidárias. Nos bastidores, as articulações são intensas com fortes “burburinhos” de que novas “puladas de cerca” são previstas, possiveis e inevitáveis. Nesse plantel, listam-se forças políticas de peso e bem articuladas eleitoralmente. O momento conhecido no meio político como “dança das cadeiras” está a pleno vapor onde todas as siglas do município movem estrategicamente suas pedras em busca de “musculatura” como em um complexo jogo de xadrez. É esperar para conferir. Luís Carlos Nunes

Em clima de pré-campanha, PSB realiza Agenda 40 em Ribeirão Pires.

13697093_1568227010140766_6636197170885941133_n

O Espaço “É o Casco” em Ribeirão Pires comportou a primeira Agenda 40 do município, realizada na noite dessa sexta-feira (15). De acordo com o PSB, centenas de ribeirãopirense acompanharam o evento, que teve o comando do pré-candidato à prefeitura da cidade, Kiko Teixeira.

13754275_1568226950140772_4667074346848176352_n

Na ocasião, além de citar os principais problemas da cidade, Kiko pediu apoio da população para elaborar propostas sintonizadas com as necessidades locais.

13718559_1568226896807444_9102958094370847622_n

“A noite desta sexta-feira ficará marcada em minha memória e em nossos corações como o pontapé inicial da Agenda 40 em Ribeirão Pires. Uma iniciativa do PSB e da Fundação João Mangabeira para ouvir as pessoas e coletar novas ideias para o plano de governo que o partido irá apresentar para a cidade. Muito obrigado pela presença, carinho e confiança. Estamos todos juntos, buscando novas ideias para uma nova Ribeirão Pires. O PSB faz política assim, unindo as pessoas, a sociedade, para que a gente possa tomar o rumo que a população nos aponta. É para isso que serve esse movimento que estamos fazendo aqui”, disse.

STF dá 15 dias para Kiko se pronunciar e defender-se.

kiko teixeira

Despacho feito nesta segunda-feira (28) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Facchin determina que Kiko Teixeira (PSB), pré-candidato a prefeito em Ribeirão Pires se pronuncie com defesa “sem direito a recurso” em processo movido pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) que considerou irregulares as contas da Câmara de Rio Grande da Serra, em 2004, quando Kiko era o presidente do Legislativo julgando-o e condenando-o por improbidade administrativa.

Após apelação junto ao STF, em 20 de janeiro, Kiko após alegar cerceamento de amplo direito de defesa, obteve através de decisão monocrática do Ministro Edson Facchin uma importante vitória na Corte Suprema quando teve seu julgamento de 2ª instancia anulado. O Ministério Público paulista entrou com recurso de agravo e a decisão deverá ser tomada pelo pleno da corte.

A movimentação faz parte do rito, e por hora não altera a aptidão para um pleito eleitoral.

Abaixo o “print” da página do Supremo Tribunal Federal (STF)

kiko

Michelle Mariz, ex-primeira dama de Ribeirão Pires será candidata pela oposição.

12795354_1069359446459958_7902611504111383400_n

O que residia apenas na esfera da ponderação, foi concretizado. A ex-primeira-dama de Ribeirão Pires, Michelle Mariz, assinou ficha de filiação ao PSB e concorrerá nas eleições de outubro a um assento de vereadora.

Sem êxito, não obtivemos sucesso de contato com Michelle, mas fontes próximas a agora pré-candidata afirma que Michelle escara o desafio com tranquilidade e de que não pretende ser mulher bomba nessas eleições. “Ela é pessoa séria e o fato de ter sido esposa do atual prefeito nada será utilizado como ferramenta para angariar votos ou auto promoção. Michelle tem luz própria e desperta simpatia ”, disse nossa fonte.

Michelle Mariz que foi presidente do Fundo Social de Solidariedade em Ribeirão Pires, tem sido a bom tempo assediada por diversos partidos tinha como certa seu ingresso no PMB da vice-prefeita Leonice Moura, mas optou pelo PSB onde teve ficha de filiação abonada pelo deputado estadual Caio França, filho do cardeal do PSB no estado, o vice governador Marcio França.

Gustavo Tomaz lança pré-candidatura a vereador de Ribeirão Pires.

Gustavo Tomaz

As Eleições 2016 prometem promover figuras novas na política como forma de aumentar o leque de opções para o eleitor. Em Ribeirão Pires, várias pré-candidaturas novas já foram postas. Uma delas é a do jovem Gustavo Tomaz, 24 anos, que colocou seu nome à disposição como pré-candidato a vereador nas eleições de 2016. Gustavo será um dos nomes que o PSB terá entre os demais pré-candidatos. Estudante de direito, Gustavo disse estar amadurecendo a ideia junto aos familiares e amigos. “Sempre defendi uma candidatura jovem e coloco meu nome a disposição de uma alternativa jovem comprometida e responsável com esse povo que carece de representatividade na Câmara de vereadores”, afirmou.

Gustavo destacou que “num contexto histórico em que muitas pessoas estão desanimadas com a política, é evidente que muitos jovens também vão partilhar desse sentimento. Afinal, como membro de uma sociedade, ele tem responsabilidade sobre os rumos que ela vai tomar.” frisou.

“Sou um jovem que gosto de política, acredito que através dela poderei colocar meus projetos em prática, visando o crescimento econômico e cultural do município. Estou ciente que não vai ser fácil chegar lá, muitas barreiras serão quebradas para que isso aconteça, porém não vou desistir. Afinal, não é apenas o meu sonho ver uma Ribeirão Pires diferente, todos almejam por isso. Admiro pessoas que lutam diariamente para realizarem seus sonhos, seguindo o exemplo vou lutar até o fim. Acredito que os rumos da história serão mudados através daqueles que agem com a simplicidade de um pequeno e a ousadia do grande.

Concluindo a conversa com o blog “Caso de Política”, Gustavo Tomaz mandou um grande abraço para todos que sonham com dias melhores. “Sou feliz por ter muitos amigos e uma família maravilhosa, estes que acreditam no meu potencial”. Disse o pré-candidato, que destaca que como representante da juventude, estará pautando projetos pela melhoria da educação, esportes, cultura e lazer em todos os seus níveis.