Vereadora Diva do Posto participa de audiência pública sobre uso de fosfoetanolamina na OAB São Paulo.

 d10ef7d1-4a76-4b24-9032-5fa1744071d0

Assessoria de Comunicação da vereadora Diva do Posto

A vereadora Diva do Posto (PR) participou nesta quinta-feira (17), na sede da OAB SP da 1ª audiência pública sobre o uso da fosfoetanolamina sintética (popular fosfo), substância que tem sido utilizada como tratamento por pessoas com câncer.

O encontro reuniu especialistas no assunto de todo o país entre ele o pesquisador Dr. Gilberto Orivaldo Chierice explica o trabalho de pesquisa com a fosfoetanolamina sintética.

“Estamos diante do que pode ser a cura do câncer. E não de “alguns tipos de câncer”, mas de todo tipo de câncer. O Dr. Gilberto Chierice, pessoa simples em sua fala foi muito seguro ao afirmar sobre o grande potencial de cura dessa nova droga levando esperança aos acometidos por essa grave doença”, disse Diva do Posto.

12f9f817-0bc8-4799-adc0-efea7b6fa8ac

Segundo os debates, o assunto da fosfoetanolamina que há meses tem tomado os noticiários tem mobilizado a sociedade cientifica, política para debater o direito de acesso ao produto, tendo em vista que a fosfoetanolamina ainda está em fase de testes e sua comercialização, portanto, não foi liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dessa forma, a substância tem sido obtida na Universidade de São Paulo (USP) por meio de liminares concedidas pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A substância é fruto de pesquisas conduzidas por duas décadas pelo professor, agora aposentado, Gilberto Orivaldo Chierice, do Instituto de Química de São Carlos, da USP.

Gilberto Orivaldo

Diva do Posto e Gilberto Orivaldo Chierice, do Instituto de Química de São Carlos

Diva disse ainda que um diagnostico preciso é muito importante para o tratamento e que estará nos próximos dias se encontrando com pessoas ligadas a Rede Feminina de Combate ao Câncer para juntas trocarem experiências e impressões sobre a fosfoetanolamina.

“Os debates foram muito enriquecedores, uma vez que, se por um lado os que pleiteiam o produto na justiça recorrem ao argumento do direito à vida, por outro, o Estado justifica que é seu dever, e também um direito do cidadão, que a saúde das pessoas seja garantida, visto que o produto ainda está em fase de testes. Vivemos um momento histórico em se tratando da cura do câncer no país”, concluiu a vereadora Diva do Posto.

Deixe uma resposta